Tempo
|

GNR

Processo de identificação de incendiários "está bem melhor do que em 2017"

18 jul, 2022 - 19:50 • Pedro Mesquita com Redação

O major Ricardo Samouqueiro indica que existem "sistemas de vigilância fixa, de videovigilância florestal, de vigilância móvel", com vários integrantes e componentes.

A+ / A-
Entrevista ao Major Ricardo Samouqueiro
Entrevista ao Major Ricardo Samouqueiro

O major Ricardo Samouqueiro, da direção do Serviço da Proteção da Natureza e do Ambiente, da GNR, considera que o processo de deteção de incendiários "está bem melhor do que em 2017".

Ouvido pela Renascença, o elemento da Guarda Nacional Republicana indica que, até agora, já foram detidos 54 alegados incendiários.

De acordo com o ministro da Administração Interna, 13% dos incêndios florestais, em Portugal, resultam de dolo. É à GNR que cabe a coordenação da vigilância e, por isso, necessita de muitas fontes de informação, quer em terra, quer no ar.

O Major Ricardo Samouqueiro indica que existem "sistemas de vigilância fixa, de videovigilância florestal, de vigilância móvel", com vários integrantes e componentes.

Drones funcionam quase sempre, mas há exceções

Já os sistemas de vigilância aérea são compostos por meios tripulados e também não tripulados e fazem cobertura de "áreas onde há maior risco".

O elemento da direção do Serviço da Proteção da Natureza e do Ambiente, da GNR, especifica que há um planeamento bisemanal para o uso de drones não tripulados, em que se realizamo três voos para cada uma das três bases: Mirandela, Lousã e Beja.

"Fundamentalmente, nos períodos em que o risco de incêndio é maior", realça.

O Major Ricardo Samougueiro garante que os três voos diários são cumpridos, mas há "raras exceções", como alguma avaria inopinada ou uma indisponibilidade de um dos operadores do dispositivo.

"Em termos de cumprimento das ações planeadas, tempos 70% das missões cumpridas", detalha.

Há aviões fornecidos pela Força Aérea

O elemento da direção do Serviço da Proteção da Natureza e do Ambiente, da GNR, explica, ainda, que há meios aéreos solicitados pela força de segurança à Força Aérea, especialmente em períodos "de situação de alerta ou de contigência" e direcionados para onde o risco é maior.

A comunicação é feita diretamente para a GNR, que depois faz o mesmo para as equipas de manutenção e exploração de informação florestal.

No caso dos incendiários, é transmitido dados sobre a presença de um suspeito, caso exista.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • J M
    19 jul, 2022 Seixal 16:05
    Agora vamos esperar que a justiça tenha mão pesada com os alegados criminosos. Também gostaríamos de ouvir repetidamente a comunicação social fazer referência às deliberações tomadas, para que no futuro dissuadam novos potenciais incendiários.

Destaques V+