Zaporizhzhia tem uma imagem de Fátima e um receio. "Tornar-se numa nova Mariupol"

07 abr, 2023 - 09:35 • José Pedro Frazão, enviado da Renascença à Ucrânia

O bispo auxiliar da diocese de Kharkiv-Zaphorizhzhia apela à oração incessante para que os soldados consigam resistir a uma eventual ofensiva russa sobre a cidade. Jan Sobilo agradece o apoio de Portugal, explica o que aconteceu aos padres ameaçados nas zonas ocupadas e as razões pelas quais uma imagem de Nossa Senhora de Fátima está no altar principal da concatedral de Zaporizhzhia.

A+ / A-
Zaporizhzhia tem uma imagem de Fátima e um receio
"Quero mostrar-lhes que a nossa fé pode acelerar o caminho para a vitória", diz à Renascença bispo auxiliar de Kharkiv-Zaphorizhzhia

Veja também:


É domingo e a assembleia da Concatedral de Zaporizhzhia tem cerca de 70 pessoas para a missa presidida por D. Jan Sobilo. O bispo auxiliar de Kharkiv-Zaphorizhzhia, nascido na Polónia, veio para esta cidade aos 29 anos para dinamizar a paróquia e foi peça-chave no movimento que levou à construção da concatedral, consagrada em 2004.

Na celebração deixou um apelo à oração num tempo difícil, dois dias depois de um ataque com mísseis russos a um prédio residencial que fez 13 mortos. "Quero mostrar-lhes que a nossa fé pode acelerar o caminho para a vitória, por isso precisamos de rezar. Temos esperança e muita fé de que a situação possa mudar rapidamente com a força da nossa oração", explicou à Renascença depois da celebração dominical.

O bispo auxiliar apela à oração pelos soldados que defendem Zaporizhzhia e a Ucrânia, apoiando o seu "espírito" e a sua "coragem". A cidade pode ser fulcral no desfecho da guerra, sobretudo no contexto do reatar dos combates mais agressivos e alargados no Leste. Na cidade, pressente-se o perigo de um ataque russo massivo e direto à cidade.

"Temos consciência de que se Bakhmut cair, se outras cidades se seguirem, Zaporizhzhia pode tornar-se numa nova Mariupol. Ou seja, os ocupantes tentam primeiro cercar a cidade para depois a capturar. Em 2014 muitas pessoas ligadas à Rússia queriam criar a República Popular de Zaporizhzhia, como fizeram com as províncias de Donetsk e Luhansk", avisa o bispo Sobilo, que garante que a vontade de defender a cidade é proporcional à ameaça de que se fala.

Morrer ou fugir na Ucrânia sob controlo russo

A Diocese de Kharkiv- Zaporizhzhia abrange grande parte do Leste da Ucrânia que está sob controlo da Ucrânia. 70% da região de Zaporizhzhia já está ocupada por forças russas ou pró-russas. Dois padres greco-católicos continuam em cativeiro, mas a maioria conseguiu escapar para zonas seguras.

"Os nossos padres saíram dessas zonas quando puderam. Antes receberam propostas como as de receberem nacionalidade russa, passaportes russos e entrarem na Igreja russa, caso contrário seriam mortos. Os russos diziam-lhes que não podiam estar ali sendo de uma igreja ucraniana. Os nossos padres decidiram então sair num processo difícil, com viagens de vários dias de estrada e muitos postos de controlo, onde muitas vezes foram revistados", relata o bispo Jan Sobilo.

Bispo reza pela paz e pela conversão da Rússia a Nossa Senhora de Fátima
Bispo reza pela paz e pela conversão da Rússia a Nossa Senhora de Fátima

A estes relatos junta-se a destruição de igrejas durante os combates, como em Bakhmut , sendo muito difícil trazer objetos litúrgicos no processo de fuga ou mesmo entre os escombros.

O bispo auxiliar de Zaporizhzhia sublinha que este tempo de Páscoa também permite a união dos cristãos para que juntos rezem pela paz. "Em tempo de guerra, o sofrimento e morte de Jesus têm outro significado", afirma o bispo de origem polaca.

Não será por acaso que na porta de acesso dos fiéis à Igreja, situada numa zona lateral da nave principal, está uma foto do Papa João Paulo II. Sobre Francisco, o bispo diz sentir o seu apoio desde sempre e não apenas quando se concretizou a chamada "invasão de larga escala".


Fátima em Zaporizhzhia

No altar principal, logo à direita, está em destaque uma imagem de Nossa Senhora de Fátima, feita em madeira, trazida para Zaporizhzhia por um homem rico da cidade que a encomendou de forma privada em Portugal. Após a celebração são várias as mulheres que se aproximam desta imagem que copia a original de Fátima para rezar em privado e com nítido fervor.

"Como ouvimos de novo em 2017, Fátima apela à conversão da Rússia. E esta guerra mostrou-nos que temos que rezar ainda hoje por essa conversão. Enquanto ela não estiver concretizada não haverá paz e a Rússia irá desestabilizar sempre a situação na Ucrânia e em todo o mundo", justifica o bispo auxiliar da diocese, antes de agradecer o apoio dos portugueses, pelas suas orações, pela ajuda financeira e humanitária e pela forma como acolhem os refugiados ucranianos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+