Tempo
|

Ucrânia. Imagens de seis meses de uma guerra que se esperava "rápida"

24 ago, 2022 - 18:05 • Marta Pedreira Mixão

O dia em que a Ucrânia celebra o 31.º aniversário de independência, 24 de agosto, marca também seis meses do início do conflito armado com a Rússia. Há meio ano, Vladimir Putin ordenou a invasão do país vizinho e deu origem ao maior conflito das últimas décadas na Europa.

A+ / A-
24 de Fevereiro - Pessoas abrigam-se numa estação de metro em Kiev, depois de o presidente russo, Vladimir Putin, ter autorizado uma operação militar no leste da Ucrânia. Foto: Valentyn Ogirenko / Reuters
24 de Fevereiro - Pessoas abrigam-se numa estação de metro em Kiev, depois de o presidente russo, Vladimir Putin, ter autorizado uma operação militar no leste da Ucrânia. Foto: Valentyn Ogirenko / Reuters
24 de Fevereiro - Destroços e escombros em Kiev, depois de o presidente russo Vladimir Putin ter ordenado uma operação militar no leste da Ucrânia. Foto: Valentyn Ogirenko / Reuters
24 de Fevereiro - Destroços e escombros em Kiev, depois de o presidente russo Vladimir Putin ter ordenado uma operação militar no leste da Ucrânia. Foto: Valentyn Ogirenko / Reuters
24 de Fevereiro - Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, faz um breve e desafiante discurso nacional para declarar a lei marcial e a mobilização geral  Frame vídeo
24 de Fevereiro - Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, faz um breve e desafiante discurso nacional para declarar a lei marcial e a mobilização geral Frame vídeo
26 de Fevereiro - Zelensky recusa uma oferta dos EUA para evacuar, dizendo: "A luta é aqui; preciso de munições, não de boleia". Foto: DR
26 de Fevereiro - Zelensky recusa uma oferta dos EUA para evacuar, dizendo: "A luta é aqui; preciso de munições, não de boleia". Foto: DR
28 Fevereiro - Zelensky assina pedido formal de adesão da Ucrânia à UE. Foto: Zelensky/Instagram
28 Fevereiro - Zelensky assina pedido formal de adesão da Ucrânia à UE. Foto: Zelensky/Instagram
9 de Março - Ataque à maternidade em Mariupol faz 3 mortos e 17 feridos, segundo o balanço feito à data.  Foto: Eyepress/via Reuters
9 de Março - Ataque à maternidade em Mariupol faz 3 mortos e 17 feridos, segundo o balanço feito à data. Foto: Eyepress/via Reuters
13 de Março - A Rússia alarga os seus alvos a oeste, disparando 30 mísseis de cruzeiro numa base de treino militar em Yavoriv, a 25 km da fronteira polaca, matando 35 pessoas. Foto: Reuters
13 de Março - A Rússia alarga os seus alvos a oeste, disparando 30 mísseis de cruzeiro numa base de treino militar em Yavoriv, a 25 km da fronteira polaca, matando 35 pessoas. Foto: Reuters
Rússia bombardeia um teatro, que servia de abrigo, na cidade portuária do sul de Mariupol. Foto: Sergei Ilnitsky/EPA
Rússia bombardeia um teatro, que servia de abrigo, na cidade portuária do sul de Mariupol. Foto: Sergei Ilnitsky/EPA
29 de março - Negociadores russos e ucranianos reúnem-se em Istambul - a sua primeira reunião em pessoa em mais de três semanas. A Ucrânia apresenta uma proposta detalhada de neutralidade.Foto: Presidência Ucraniana/EPA
29 de março - Negociadores russos e ucranianos reúnem-se em Istambul - a sua primeira reunião em pessoa em mais de três semanas. A Ucrânia apresenta uma proposta detalhada de neutralidade.Foto: Presidência Ucraniana/EPA
2 de Abril - Com a retirada das tropas russas de Bucha, uma cidade a noroeste de Kyiv, dezenas de cadáveres de civis foram encontrados nas ruas.Foto: Zohra Bensemra/Reuters
2 de Abril - Com a retirada das tropas russas de Bucha, uma cidade a noroeste de Kyiv, dezenas de cadáveres de civis foram encontrados nas ruas.Foto: Zohra Bensemra/Reuters
21 de Maio - O Ministério da Defesa russo anuncia que tem o controlo total de Mariupol, após a evacuação de 1.908 defensores da fábrica Azovstal, um mês depois de Putin ter declarado vitória sobre a cidade.  Foto: Ministério da Defesa da Rússia/EPA
21 de Maio - O Ministério da Defesa russo anuncia que tem o controlo total de Mariupol, após a evacuação de 1.908 defensores da fábrica Azovstal, um mês depois de Putin ter declarado vitória sobre a cidade. Foto: Ministério da Defesa da Rússia/EPA
27 de Junho - Os mísseis russos atingem alvo um centro comercial em Kremenchuk, na Ucrânia central, matando pelo menos 18 pessoas.  Foto: EPA
27 de Junho - Os mísseis russos atingem alvo um centro comercial em Kremenchuk, na Ucrânia central, matando pelo menos 18 pessoas. Foto: EPA
29 de Junho - Volodymyr Zelensky participou na cimeira da NATO, em Madrid, com uma mensagem por vídeoconferência, na qual disse aos líderes da Aliança que o seu país precisa de mais armamento moderno e financiamento para garantir a sua defesa e travar os planos de Vladimir Putin.
29 de Junho - Volodymyr Zelensky participou na cimeira da NATO, em Madrid, com uma mensagem por vídeoconferência, na qual disse aos líderes da Aliança que o seu país precisa de mais armamento moderno e financiamento para garantir a sua defesa e travar os planos de Vladimir Putin.
18 de Agosto - Secretário-geral da ONU, António Guterres, alerta que danos na central nuclear de Zaporizhzhia seriam "suicídio", uma vez que a Ucrânia e a Rússia se acusam mutuamente de bombardear perto da central. Foto: REUTERS/Gleb Garanich
18 de Agosto - Secretário-geral da ONU, António Guterres, alerta que danos na central nuclear de Zaporizhzhia seriam "suicídio", uma vez que a Ucrânia e a Rússia se acusam mutuamente de bombardear perto da central. Foto: REUTERS/Gleb Garanich
20 de Agosto - Darya Dugina, filha do ideológo de Vladmir Putin e ultranacionalista russo Alexander Dugin, é morta numa explosão de um carro armadilhado perto de Moscovo, no que pode ter sido uma tentativa de assassinato contra o seu pai. A Ucrânia negou as acusações da Rússia de estar por detrás do ataque. Foto: Maxim Shipenkov/EPA
20 de Agosto - Darya Dugina, filha do ideológo de Vladmir Putin e ultranacionalista russo Alexander Dugin, é morta numa explosão de um carro armadilhado perto de Moscovo, no que pode ter sido uma tentativa de assassinato contra o seu pai. A Ucrânia negou as acusações da Rússia de estar por detrás do ataque. Foto: Maxim Shipenkov/EPA
24 de Agosto - A Ucrânia celebra o Dia da Bandeira Nacional. Decorrem cerimónias em que as bandeiras são hasteadas por todo o país. Devido à atual situação no país, a maior bandeira foi hasteada na cidade de Dnipro.
24 de Agosto - A Ucrânia celebra o Dia da Bandeira Nacional. Decorrem cerimónias em que as bandeiras são hasteadas por todo o país. Devido à atual situação no país, a maior bandeira foi hasteada na cidade de Dnipro.

Nas primeiras horas de dia 24 de fevereiro, a Rússia invadiu território ucraniano a partir de três frentes, naquele que foi o maior movimento de tropas na Europa desde a II Guerra Mundial.

Muitos analistas ocidentais acreditavam que numa questão de dias a capital ucraniana estaria nas mãos de Moscovo, no entanto, passaram seis meses desde que as forças russas invadiram a Ucrânia, data em que se assinala também a celebração do Dia da Independência do país, declarada a 24 de agosto de 1991.

A ofensiva militar russa causou já a fuga de quase 13 milhões de pessoas - mais de seis milhões de deslocados internos e quase sete milhões para os países vizinhos -, de acordo com os mais recentes dados da ONU.

Esta quarta-feira, a Rússia garantiu também que as operações no país vizinho estão a decorrer conforme o planeado e que "todos os objetivos serão alcançados".

"A operação militar especial está a decorrer conforme o planeado etodos os objetivos serão alcançados", disse o ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu, citado pela agência de notícias oficial TASS.

Num discurso à nação para assinalar este dia, o Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, disse hoje que a Ucrânia vai lutar" até ao fim" sem "nenhuma concessão ou compromisso".

"Vamos lutar pela nossa terra até ao fim. Estamos a aguentar há seis meses. É difícil, mas cerramos os punhos e estamos a lutar pelo nosso destino", disse.

"O que é para nós o fim da guerra? Antes dissemos paz, agora dizemos vitória. Não vamos tentar dar-nos bem com os terroristas russos", frisou Volodymyr Zelensky.

A data, que comemora este ano o 31.º aniversário da independência da Ucrânia tem sido assinalada com restrições e medidas adicionais de segurança um pouco por todo o país, devido ao receio de mais ataques russos numa semana de forte simbolismo.

Ao longo dos últimos seis meses, o conflito no território ucraniano deixou um rasto de destruição no país, provocou um número incerto de vítimas civis e de prisioneiros, mobilizou milhões em ajuda militar e humanitária e suscitou sanções contra Moscovo e várias mudanças no cenário geoestratégico mundial.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+