André Carvalhas

O herói do Tondela com "o nome riscado" em Chaves

17 mai, 2019 - 09:45 • Eduardo Soares da Silva

O avançado apontou o golo, nos descontos da última jornada da II Liga de 2014/15, que deu o título da II Liga ao Tondela, e colocou o Chaves fora dos lugares de subida. Quatro anos depois, os dois emblemas discutem a última vaga de manutenção no primeiro escalão. A Renascença falou com o avançado que, até hoje, “tem o nome riscado” em Trás-os-Montes.
A+ / A-

Veja também:


André Carvalhas foi o herói da subida do Tondela à I Liga, em 2014/15, e o carrasco do Desportivo de Chaves. Bola Branca conversou com o avançado português, que admite que não é bem-vindo em Chaves, após o golo de livre direto apontado, aos 93 minutos, no dia 24 de maio de 2015, ao Freamunde.

O avançado foi decisivo numa das lutas mais intensas pela subida à I Liga, em 2014/15. Chaves, União da Madeira, Sporting da Covilhã, Feirense e Tondela tinham hipóteses de subir ao primeiro escalão, à entrada para a última jornada. Aos 93 minutos, o Tondela perdia no terreno do Freamunde por 1-0, resultado que dava o título de campeão ao Chaves, que venceu a sua partida, em casa, contra a UD Oliveirense, e o segundo lugar à equipa beirã.

Aos 93 minutos, André Carvalhas apontou um grande golo, de livre direto, que deu o título de campeão ao Tondela, e recambiou a equipa transmontana para o terceiro lugar. O segundo posto, que dava direito a promoção, era ocupado pelo União da Madeira.

Passadas quatro temporadas, Tondela e Desportivo de Chaves vão lutar, na última jornada, pela última vaga de manutenção no primeiro escalão do futebol português. André Carvalhas, que já conquistou três títulos da II Liga, recordou a inédita conquista com o Tondela e lança a partida decisiva da última jornada do campeonato.

Foi um golo que garantiu um título e uma subida inédita no clube. Sente que ficou na história do Tondela?

Acho que sim, ficou na história pelo título e pela forma como foi, aos 93 minutos. Tem um sabor especial. Estava a ser um jogo muito complicado, lembro-me muito bem. O Quim Machado meteu-me para tentar empatar o jogo e garantir o título. Apareceu o livre à entrada da área. O Rúben Saldanha pegou na bola e veio entregar-me para eu bater. Gosto das bolas paradas, acho que faço bem, e consegui fazer o golo. Foi um sentimento fantástico e sinal de dever cumprido.

Que recordações tem da festa a seguir ao golo? Estavam cerca de mil adeptos do Tondela no estádio...

Foi fantástico, ainda houve mais uma jogada depois do golo, mas, quando o árbitro apitou, os adeptos invadiram o campo e fomos festejar até Tondela. Foi até de madrugada.

Uma quebra de forma nos últimos jogos do campeonato chegaou a colocar a subida do Tondela em risco...

Quem conhece a II Liga sabe que não há equipas imbatíveis, é difícil as equipas ganharem os jogos todos. É o campeonato mais competitivo em Portugal. O último pode perfeitamente ganhar ao primeiro, vezes sem contas, e vai continuar a ser assim. Quem for mais estável vai lutar para subir. Passámos um momento menos bom, mais do que um, até, mas tínhamos uma equipa de qualidade, demos a volta por cima e conseguimos ser campeões, felizmente.

Acha que foi uma das lutas mais intensas na II Liga dos últimos anos?

Não me lembro de nada tão renhido. Na última jornada, cinco equipa podiam subir, mediante combinação de resultados. Não me lembro de nada assim e já ando neste campeonato há muitos anos.

Quatro anos depois, o Tondela continua na I Liga, em afirmação.

É, claramente, um clube de primeira. A estrutura é muito boa e está sempre a melhorar. São cumpridores, e os clubes cumpridores merecem estar na I Liga, porque, infelizmente, no nosso país ainda há muitas equipas devedoras. São menos, hoje em dia, ainda bem, mas as equipas que pagam certinho e que têm condições e não deixam que falte nada aos jogadores merecem estar no patamar máximo do nosso futebol.

O seu golo, para além de dar o título ao Tondela, atirou o Chaves do primeiro lugar para o terceiro, fora dos lugares de subida. Tornou-se "odiado" pelos adeptos do Chaves?

Recebi várias mensagens desagradáveis de adeptos do Chaves. É futebol, nem pensei, na altura, que estava a tirar o Chaves da I Liga. Estava focado no meu trabalho, que era marcar de livre naquela situação. Consegui, mas sei que o meu nome, em Chaves, ficou riscado. Até na época seguinte recebia mensagens. No ano seguinte, fui para o Portimonense e fomos jogar a Chaves. Cada vez que tocava na bola era assobiado pelo estádio todo. Nesse mesmo jogo, estávamos a perder 1-0 e empatei o jogo, aos 89 minutos, de penálti. Quando tomei balanço para bater o penálti era um barulho ensurdecedor no estádio. Os adeptos continuavam amargurados com a situação. Mas não fiz nada contra eles, sou profissional e tinha de fazer o meu trabalho.

Este domingo, Tondela e Chaves disputam o último lugar de manutenção na I Liga. Só a vitória serve ao Tondela. Quem acha que é favorito?

Vou ver o jogo. Estão empatados e é um jogo decisivo. Vou ver pelo que o Tondela significa para mim. Passei lá um ano muito bom. Acho que o Tondela tem alguma vantagem, mesmo precisando da vitória, porque joga em casa. Mas o futebol não é linear e pode haver surpresas.

Sofreu uma lesão grave no início desta temporada. Como encarou a situação?

Foi complicado, quando soube da notícia. No primeiro jogo oficial da temporada, levei uma pancada e fiz uma rotura do ligamento cruzado anterior do joelho e todos sabem o que isso implica. Fui operado e fiquei muitos meses parado. Psicologicamente, tinha de ser forte para recuperar rapidamente e bem. Consegui, com o apoio de muitos. Tive profissionais muito bons a trabalhar comigo, ajudaram-me numa recuperação boa. Permitiu-me acabar a época a jogar no Cova da Piedade. Depois do calvário que passei, voltar a ser titular é uma vitória fantástica e isso deixa-me muito feliz, até porque ajudei o clube a garantir a manutenção.

Tem mais um ano de contrato com o Cova da Piedade, que foi onde começou a jogar futebol, antes de sair para o Benfica. Quer continuar?

Claro que sim, tenho mais esse ano de contrato e os contratos são para cumprir. É um clube de que gosto, todos sabem, é o clube da minha terra, que me viu crescer. Tenho muita estima e quero continuar aqui.

Aos 30 anos, o André tem mais de 200 jogos da II Liga, e só quatro na I Liga, em 2008/09, no Rio Ave, por empréstimo do Benfica. Ainda ambiciona regressar e afirmar-se no primeiro escalão?

Não é algo que pense muito, sinceramente. Não é uma questão de ter ou não capacidade para lá estar, porque isso sei que tenho, e muita, mas há muito mais para além só de futebol. A minha carreira foi boa, até agora. Mas, se gostava de ter jogado mais na I Liga e voltar, claro que sim, gostava de lá estar. Mas, se não acontecer, quero continuar na II, em clubes que lutam por subir de divisão, que foi isso a que me habituei.

O Cova da Piedade passou por momentos complicados, esta temporada. Trocou três vezes de treinador e a manutenção foi apenas assegurada na penúltima jornada, com Miguel Leal como treinador. Esperava uma temporada mais tranquila?

Sim. Desde o início que as coisas não foram bem estruturadas. Pela equipa que tínhamos, esperava uma época mais tranquila. Não havia necessidade de passarmos por tanto, mas a II Liga é propícia a isto. A maioria das vezes, há oito a dez equipas que querem subir, mas só duas é que podem. Muitas vezes, algumas das que querem subir lutam para não descer, porque o campeonato é muito competitivo. Algumas descem e outros lutam para não descer, é uma certeza isto. Um clube intitular-se para subir de divisão não chega, é preciso reunir muitas condições, e os clubes, às vezes, esquecem-se dos pequenos pormenores que podem custar a subida de divisão. Não basta dizermos que somos candidatos, quando na verdade falham algumas coisas. E foram esses detalhes que nos custaram a subida também.

O objetivo do Cova da Piedade é subir de divisão nas próximas temporadas?

Penso que sim. Quem está à frente do clube tem a capacidade para o colocar na I Liga. A estrutura é boa, as condições são boas. Capacidade para lá chegarmos temos.

Foi campeão da II Liga três vezes, com o Olhanense, Moreirense e Tondela. Foram os melhores momentos da carreira?

Não foram as melhores épocas, mas foram os melhores desfechos, porque culminaram com os títulos e subidas de divisão. Fiz outras épocas individuais melhores, mas que não acabaram com a subida. Na Naval, antes de ir para o Moreirense, fiz uma época espetacular, e no Portimonense, depois do Tondela, e não subimos na última jornada, porque empatámos na Póvoa do Varzim, na última jornada, e precisávamos de ganhar. Seria a terceira subida seguida.

Se o Vítor Oliveira é considerado o “rei das subidas” dos treinadores, o André considera que tem o mesmo título como jogador?

O "rei" não diria, mas tenho noção de que sou o jogador com mais subidas e títulos na II Liga e isso dá-me orgulho. É gratificante ter conseguido. mas trocava isso por mais épocas na primeira divisão. Não estando, quero estar sempre inserido em equipas que lutam pelo título na segunda.

O Cova da Piedade não está na luta pela subida este ano, mas o André pode ter novo papel importante na decisão do título. O Cova da Piedade joga com o Paços de Ferreira, que disputa o título com o Famalicão...

Vamos fazer o nosso trabalho, continuar a ser profissionais até ao último minuto. Vamos a Paços de Ferreira para ganhar e dar o nosso melhor.

A carreira de André Carvalhas:

2007/08 - Benfica

2008/09 - Rio Ave/Olhanense (empréstimo)

2009/10 - Fátima (empréstimo)

2010/11 - Fátima (empréstimo)

2011/12 - Trofense

2012/13 - Naval

2013/14 - Moreirense

2014/15 - Tondela

2015/16 - Portimonense

2016/17 - Cova da Piedade

2017/18 - Zaria Balti (Moldávia)/União da Madeira

2018/19 - Cova da Piedade

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.