Tempo
|
A+ / A-

Futebol

Títulos mantêm-se. Todos os pareceres rejeitados

29 jun, 2022 - 19:09 • Carlos Calaveiras , com Lusa

Seriam 84 delegados a votar de forma secreta, mas nem todos estiveram presentes e nenhum dos projetos teve voto por maioria. Dos presentes, 33 votaram contra e 13 votaram a favor.

A+ / A-

A Assembleia Geral Extraordinária da FPF, relativa à história dos campeões nacionais, deixa os títulos todos na mesma.

Estavam três propostas em votação, que alteravam o número de títulos de campeão nacional e da Taça de Portugal. Na quarta opção, tudo ficava na mesma.

Seriam 84 delegados a votar de forma secreta, mas nem todos estiveram presentes e nenhum dos projetos teve voto por maioria. Dos presentes, 33 votaram contra e 13 votaram a favor.

O primeiro parecer levado a votação defendia que os vencedores do Campeonato de Portugal entre 1921/22 e 1933/34, e do Campeonato da Liga, disputado em simultâneo, a título experimental, entre 1934 e 1938, fossem declarados campeões nacionais, enquanto os vencedores do Campeonato de Portugal entre 1934/35 e 1937/38 seriam consagrados como vencedores da Taça de Portugal.

O segundo identificava o Campeonato de Portugal como antecessor da Taça de Portugal, que começou a ser disputada em 1938/39, e o Campeonato da Liga como correspondente do campeonato nacional.

Já a proposta apresentada pelo Sporting, que venceu o Campeonato de Portugal em 1922/23, 1933/34, 1935/36 e 1937/38, defendia o reconhecimento destes títulos como de campeão nacional.

Mantém-se então a contagem: Benfica 37, FC Porto 30, Sporting 19, Belenenses e Boavista um cada.

Em relação a Taças de Portugal: Benfica 26, FC Porto 18, Sporting 17, Boavista 5, Belenenses, Sp. Braga e Vitória de Setúbal 3, a Académica de Coimbra 2, D. Aves, Vitória Guimarães, Estrela Amadora, Leixões e Beira Mar 1.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+