Tempo
|
A+ / A-

Braga contesta hora da final da Taça de Portugal

05 mai, 2021 - 13:15 • Redação

O jogo com o Benfica está marcado para domingo, 23 de maio, às 21h00, em Coimbra. "É a total negação do que é a essência do futebol", escrevem os minhotos, em comunicado

A+ / A-

O Sporting de Braga manifesta "indignação" e contesta a marcação da final da Taça de Portugal para domingo, 23 de maio, às 21h00, em Coimbra.

"Qualquer jogo realizado às 21 horas de um domingo é, à partida, a total negação do que é (ou do que deveria ser) a essência do futebol: a congregação entre os clubes e os seus adeptos. Este contexto ganha uma dimensão ainda maior tratando-se da ‘festa’ da final da Taça de Portugal, um jogo historicamente marcado pela emoção e, acima de tudo, pela forte ligação com os adeptos", escreve o Braga, em comunicado.

Os minhotos entendem que há exigências comerciasi e dos operadores televisivos, mas alertam a Federação Portuguesa de Futebol para o "iminente perigo de um total e irreversível distanciamento entre adeptos, clubes e, por consequência, as instituições que regem o futebol".

Neste comunicado, o Braga recorda que já em sugeriu, anteriormente, que a final da Taça de Portugal deveria acontecer a um sábado, durante a tarde. "Esta alteração permitiria que os jogadores e demais estrutura do clube vencedor, seus sócios e adeptos, festejassem devidamente a conquista de tão importante troféu, sem a preocupação dos afazeres do dia seguinte e da semana de trabalho. Algo, aliás, já consagrado na generalidade dos países europeus", assinala.

O Braga espera que a decisão possa ainda ser revertida. Para já a data mantém, com o jogo entre Braga e Benfica, em Coimbra, marcado para as 21h00 de domingo, 23 de maio.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+