Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

Jovem reafirma ao coletivo de juízes a agressão sexual de Dani Alves

05 fev, 2024 - 15:30 • Lusa

A jovem que acusa Dani Alves prestou o depoimento atrás de um biombo, com voz e imagem distorcida. Uma amiga referiu ser difícil convencê-la a apresentar queixa após os alegados eventos de dezembro de 2022.

A+ / A-

A jovem que acusa Daniel Alves de a ter violado na casa de banho de uma discoteca, em dezembro de 2022, reiterou esta segunda-feira em Tribunal as acusações, no início do julgamento do futebolista internacional brasileiro.

Com o depoimento da alegada vítima a decorrer à porta fechada, fontes judiciais revelaram que a mulher manteve a acusação de que Dani Alves a agrediu sexualmente, com violência e desprezo, na casa de banho da discoteca Sutton.

A jovem prestou depoimento durante cerca de uma hora e um quarto na 21.ª secção da Audiência de Barcelona, onde também se encontrava o futebolista, mas com uma separação entre ambos, sem que o brasileiro a conseguisse ver.

No depoimento, além da existência de um biombo, a voz da jovem foi distorcida e a sua imagem também, para evitar que a sua identidade venha a ser divulgada, caso exista algum tipo de fuga de imagens para o exterior.

No início deste julgamento, com sessões previstas até quarta-feira, também uma das amigas da alegada vítima prestou depoimento, referindo que, após o sucedido, a jovem "não parava de chorar", que estava "muito nervosa" e disse que Dani Alves a "tinha magoado".

Na declaração, a amiga referiu ainda ter sido difícil convencê-la a prestar queixa, por entender que ninguém ia acreditar nela.

Dani Alves encontra-se detido há mais de um ano, desde 20 de janeiro de 2023, na sequência das acusações de violação a uma jovem de 23 anos, que terão ocorrido em 30 de dezembro de 2022, numa discoteca de Barcelona.

O jogador, que no momento dos factos jogava nos mexicanos do Puma, mas encontrava-se em Barcelona, chegou ao tribunal numa carrinha da polícia, onde se encontrava a sua mãe e que teve a oportunidade de manifestar apoio ao filho.

No âmbito da acusação, o promotor público pede uma pena de nove anos prisão para o futebolista, embora os advogados que representam a alegada vítima queiram uma pena ainda maior, de 12 anos de prisão.

O jogador, que chegou a apresentar diversas versões para o ocorrido, já tentou várias vezes pedidos de fiança, sempre negados pelo facto de o tribunal considerar existir perigo de fuga, mesmo com a entrega de passaporte.

O julgamento decorre perante um coletivo de três juízes, presidido pela magistrada Isabel Delgado, e, durante o mesmo, estão previstos depoimentos de 28 testemunhas, entre segunda e terça-feira, antes de o Tribunal ouvir os peritos e Daniel Alves na quarta-feira.

Toda a situação tem manchado a carreira do futebolista, considerado um dos melhores do mundo na sua posição, ao serviço de clubes como o Sevilha, FC Barcelona, Juventus, Paris Saint-Germain e São Paulo.

São inúmeras as conquistas do lateral-direito, com Mundiais de clubes, Liga dos Campeões, Liga Europa, Supertaças Europeias, várias Ligas espanholas, duas em França e uma em Itália, além das conquistas pelo Brasil, nos Jogos Olímpicos ou na Copa América.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+