Tempo
|
A+ / A-

Arábia Saudita "não quer saber" das acusações de "sportswashing"

22 set, 2023 - 09:36 • Redação

"Se o 'sportswashing' contribuir 1% para o crescimento do PIB, então continuaremos nesse caminho", diz o príncipe herdeiro saudita.

A+ / A-

Mohammad bin Salman, príncipe herdeiro da Arábia Saudita e primeiro-ministro, "não quer saber" das críticas à aposta do país no futebol.

Em entrevista à "Fox News", o governante assume que não está interessado em quem critica o país de "sportswashing". Se o desporto continuar a trazer riqueza, a Arábia Saudita continuará a apostar.

"Se o 'sportswashing' aumentar o nosso PIB em 1%, então vamos continuar. [Não se importa com o termo?] Não quero saber. O desporto fez crescer o PIB em 1% e quero mais 1,5%. Chamem-lhe o que quiserem, vamos conseguir esse 1,5%", disse.

O "sportswashing" consiste em apostar no desporto como forma de mascarar a reputação de um país. No início de setembro, a Amnistia Internacional (AI) denunciou que a Arábia Saudita executou em 2023 pelo menos 100 pessoas e acusou Riade de "continuar com uma onda implacável de assassínios", apesar das promessas de limitar o uso da pena capital.

Várias organizações de defesa dos direitos humanos referem que a taxa de execuções no país árabe quase duplicou desde que o príncipe herdeiro Mohammed bin Salman chegou ao poder, há sete anos, durante os quais a pena de morte foi aplicada a mais de mil pessoas.

A Arábia Saudita apostou consideravelmente no futebol desde janeiro quando fechou a contratação do português Cristiano Ronaldo. Dezenas de outros jogadores de alto perfil seguiram o mesmo caminho no verão.

Neymar, Rúben Neves, Otávio, Benzema, Kanté, Firmino, Mahrez, Jordan Henderson, Fabinho e Wijnaldum são alguns exemplos.

Para além disso, a Arábia Saudita tomou conta do Newcastle, clube da Premier League. Com investimento saudita, o clube do norte de Inglaterra conseguiu o apuramento para a Liga dos Campeões.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+