Tempo
|
A+ / A-

Amnistia Internacional

Arábia Saudita já executou pelo menos 100 pessoas desde janeiro

08 set, 2023 - 14:49 • Lusa

Em 2022, a Arábia Saudita executou um total de 196 pessoas, 81 delas num único dia, o maior número de execuções no país em 30 anos.

A+ / A-

A Amnistia Internacional (AI) denunciou esta sexta-feira que a Arábia Saudita executou em 2023 pelo menos 100 pessoas e acusou Riade de "continuar com uma onda implacável de assassínios", apesar das promessas de limitar o uso da pena capital.

“Em contraste com as repetidas promessas da Arábia Saudita de limitar o recurso à pena de morte, as autoridades sauditas já executaram 100 pessoas este ano, revelando o seu arrepiante desrespeito pelo direito à vida”, afirmou, num comunicado, a diretora da AI para o Médio Oriente e Norte de África, Heba Morayef.

A organização de promoção e defesa dos direitos humanos afirmou que a contagem se baseia em informações publicadas pela agência noticiosa oficial saudita SPA e advertiu que “o número real de execuções pode ser mais elevado”.

Esta nova vaga de execuções “suscita sérios receios quanto à vida” dos condenados à morte por crimes cometidos antes da maioridade, algo que, referiu a AI, “as organizações não-governamentais têm vindo a denunciar constantemente”.

Morayef afirmou que a Amnistia Internacional tem documentado um grande número de sentenças de morte “por qualquer razão”, desde publicações críticas nas redes sociais a crimes relacionados com drogas.

Várias organizações de defesa dos direitos humanos referem que a taxa de execuções no país árabe quase duplicou desde que o príncipe herdeiro Mohammed bin Salman chegou ao poder, há sete anos, durante os quais a pena de morte foi aplicada a mais de mil pessoas.

Em 2022, a Arábia Saudita executou um total de 196 pessoas, 81 delas num único dia, o maior número de execuções no país em 30 anos, segundo a AI.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+