Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Bruno Costa Carvalho

"Silêncio de Rui Costa é resposta perfeita a Vieira"

08 jun, 2022 - 12:45 • Luís Aresta

Bruno Costa Carvalho, antigo candidato à presidência do Benfica, aplaude a tranquilidade de Rui Costa face à ofensiva do seu antecessor. Luís Filipe Vieira não deve ser expulso, defende.

A+ / A-

Rui Costa tem o apoio de Bruno Costa Carvalho, que espera do presidente do Benfica uma atitude calma e tranquila, na assembleia geral do clube, esta quarta-feira.

A reunião magna dos associados do Benfica, marcada para as 20h30, no pavilhão nº 2 da Luz, tem como objetivo discutir e votar o orçamento para a época 2022/23, mas pode ser virada do avesso pelas mais recentes declarações de Luís Filipe Vieira.

Em dois dias, em duas aparições consecutivas na CMTV, o ex-presidente do Benfica marcou a sua própria agenda, referindo-se a Rui Costa como um presidente hesitante, dando cotação de 150 milhões de euros a Darwin Nuñez, interrogando-se por que motivo Rui Pedro Braz ainda não foi despedido e considerando os treinadores Rúben Amorim ou Leonardo Jardim melhores soluções do que o alemão Roger Schmidt.

Pelo meio, Luís Filipe Vieira ainda teve tempo de meter Eusébio ao barulho, arvorando-se como o único dirigente do Benfica que tratou o “King” com o devido respeito, lançando sobre o jornalista João Malheiro suspeitas de que este apenas se aproveitou em benefício pessoal da maior referência da história do Sport Lisboa e Benfica. Malheiro vai avançar com um processo-crime por difamação contra Luís Filipe Vieira. Mais comedido tem estado Rui Costa, que se mantém silencioso, como que ignorando a súbita investida do seu antecessor.

“Quando alguém está a mexer na lama, a outra pessoa deve estar sossegadinha e caladinha. Aplaudo fortemente a atitude de Rui Costa, de não ter alimentado nem dado troco a este triste espetáculo a que temos assistido na CMTV. É triste e acho que a resposta de Rui Costa, com o seu silêncio, é perfeita”, diz a Bola Branca Bruno Costa Carvalho.

O antigo candidato à presidência do Benfica espera que na assembleia geral de hoje, Rui Costa seja um presidente “calmo, tranquilo e que não saia da perspetiva de que esta assembleia geral existe pelo orçamento. Depois os sócios vão falar, mas acho que o Rui Costa se deve manter à parte dessa discussão. Deve escutar, ouvir o sentimento dos sócios, mas acho que não se deve referir a esse assunto, manter-se afastado da polémica e pensar no futuro do Benfica, que é que nos interessa a todos”, declara.

Contra a expulsão de Luís Filipe Vieira ou de qualquer presidente

Bruno Costa Carvalho não concorda com uma eventual expulsão de Luís Filipe Vieira da condição de associado do Benfica, mas considera provável que essa proposta venha a ser defendida por alguns sócios à margem da ordem de trabalhos da assembleia geral.

“Está muito fresco e é provável que isso venha a acontecer. Não ficava nada surpreendido, ainda que eu não defenda para o Benfica o caminho de andar a expulsar presidentes. Já sabemos como são as assembleias gerais e como são as emoções. Tenho de ser sincero, é um cenário bastante previsível, ainda que eu não esteja de acordo”, sublinha.

As declarações recentes de Luís Filipe Vieira sobre o Benfica são vistas por Bruno Costa Carvalho como descabidas.

“Esta quebra de silêncio de Luís Filipe Vieira, na minha opinião, é bastante despropositada. Não me refiro aos negócios dele, porque relativamente aos problemas jurídicos tem todo o direito de falar o que entender, mas acho que devia ter deixado o Benfica de fora; isso pode toldar a assembleia-geral, provocando a reação de vários sócios” admite.

Avesso a “revoluções”, mas a favor de Rui Costa e agradado com arranque de Roger Schmidt

Nesta entrevista à Renascença, Bruno Costa Carvalho faz notar que Rui Costa, enquanto presidente, está a preparar, de raiz, pela primeira vez, uma época futebolística do Benfica, razão pela qual lhe dá o “benefício da dúvida”.

Sob a batuta do antigo “maestro”, Roger Schmidt vai operando no plantel encarnado uma autêntica “revolução”, termo que desagrada ao associado do Benfica, mas que não o impede de dar nota positiva ao técnico germânico.

“O treinador entrou muito bem, com um discurso muito acertado. Todos reconhecemos que o plantel precisava de acertos. O termo revolução assusta-me; tenho 53 anos, lembro-me da revolução que houve com Artur Jorge e tenho sempre algum receio, ainda que o contexto seja completamente diferente. Acredito que as coisas estão a ser feitas com cabeça e acho que temos de dar o benefício da dúvida a Rui Costa. É a primeira época que ele vai preparar de raiz e tem o meu apoio” conclui.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    08 jun, 2022 Lisboa 14:13
    É uma maneira de ver as coisas. Outra, seria responder à letra a Vieira e acabar de vez com qualquer veleidade que esse criminoso ainda tenha, de voltar à Presidência do Benfica. E todos já vimos que nem sempre, virar a cara e fingir que não se vê, dá bom resultado, até ao nível de Países, é só por os olhos na Europa: toleraram tudo a Putin, em prol dum "apaziguamento" que foi por este interpretado como fraqueza, e todos sabemos o que resultou desse "apaziguamento".

Destaques V+