João Duque n´As Três da Manhã
Terças e quintas-feiras, às 9h20, n'As Três da Manhã
A+ / A-
Arquivo
Resgaste dos PPR. “É o resultado do ano de 2023 para a maioria das famílias”

Joao Duque

Resgaste dos PPR. “É o resultado do ano de 2023 para a maioria das famílias”

07 mar, 2024 • Sérgio Costa , Olímpia Mairos


Portugueses tiraram mais de 1 milhão e 200 mil euros dos PPR, um montante que fica 51% acima do registado no ano anterior.

O comentador da Renascença João Duque encara como "normal" o facto de os portugueses recorrerem às poupanças dos PPR para pagar a prestação da casa ou amortizar o crédito à habitação.

Em 2023, as famílias tiraram mais de 1,2 mil milhões de euros dos PPR, um montante que fica 51% acima do registado no ano anterior.

“É o resultado do ano de 2023, para a maioria das famílias”, diz João Duque, lembrando que “a remuneração média por trabalhador subiu 2,3%, mas a inflação subiu 4,3”.

Para o economista, é normal que as pessoas sintam que os preços sobem mais do que a remuneração, pelo que ficam com dificuldades.

Se colocarmos em cima disto “aqueles que pagavam uma prestação para amortização da sua dívida à casa, então aí, a subida foi ainda mais explosiva e, portanto, o rendimento disponível fica muito, muito curto. Há que fazer contas à vida ou tomar decisões”, observa o comentador no seu espaço d’As Três da Manhã .

João Duque relembra que “muitas pessoas, muitas famílias foram aos bancos tentar renegociar os spreads, os montantes a pagar taxas, etc, ou até as maturidades para tentar baixar a prestação mensal” e muitas aproveitam também uma possibilidade que a lei lhes dava - retirarem as poupanças acumuladas em PPR.

“Muita gente que tinha aquele dinheirinho ali parado, pensou, ‘em vez de eu estar a receber ali uma taxa de um ou 2 ou 3%, porque é que eu não amortizo uma dívida que me está a cobrar 4 ou 5%?’”, acrescenta.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.