Tempo
|
Francisco Sarsfield Cabral
Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

Lembrar o 25 de Abril

14 abr, 2023 • Francisco Sarsfield Cabral • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


O populismo do Chega é o beneficiário do espetáculo deprimente que os trabalhos da Comissão Parlamentar de Inquérito à TAP trouxeram a público. Chega que organiza em Maio um evento onde participará a direita não democrática internacional.

Por força do calendário, o aniversário do 25 de Abril ocorre poucos dias depois do forte abalo na democracia provocado pelas revelações sobre a TAP e o Governo. Espera-se, sobretudo da parte do Governo e do PS, uma reação capaz de nos fazer acreditar na vitalidade da democracia portuguesa. Será pedir demais?

Uma coisa é certa: se o regime vigente entre nós não fosse democrático não teria sido possível a publicação de tantos artigos e a difusão de tantas intervenções criticando vivamente o que vimos e ouvimos na Comissão Parlamentar de Inquérito à TAP. Mas a liberdade de expressão não é um bem assegurado para sempre; é uma planta frágil que precisa de ser protegida.

Tanto mais que o populismo do Chega é o grande beneficiário do espetáculo deprimente que os trabalhos daquela Comissão trouxeram a público. Há dias André Ventura anunciou que Salvini, vice-primeiro ministro do governo de Itália, e Bolsonaro, ex-presidente do Brasil, virão a Lisboa participar num encontro internacional organizado pelo Chega, marcado para 13 e 14 de maio próximo.

Este encontro, proclamou A. Ventura, “vai colocar Lisboa no centro da direita mundial”. Qual direita? A direita não democrática, que se serve das liberdades democráticas para se afirmar, até que chegue o momento de pôr cobro a tais liberdades. Nós, portugueses, tivemos essa direita no poder, entre 1926 e 1974, e por isso conhecemo-la bem.

Veja-se o percurso de Bolsonaro, que não aceitou a derrota eleitoral frente a Lula e saiu do Brasil para não transmitir pessoalmente o poder ao seu sucessor. Bolsonaro é um discípulo de Trump e segue a regra de nunca aceitar uma derrota nas urnas. Mas que democracia é esta onde apenas se aceitam as votações quando se ganha? Obviamente que a democracia perde sentido com tais práticas.

O que, no fundo, não preocupa os seguidores de Trump e Bolsonaro. Eles pretendem impor outro regime, que não a democracia. Um regime onde esses políticos mandem a seu bel prazer. E onde todos os outros terão que obedecer. É isto que queremos?

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Liberato
    15 abr, 2023 Almada 01:07
    É curioso que FSC fale dos inconvenientes da direita iliberal no campo das liberdades tendo em conta a proximidade de mais uma comemoração do 25 de abril e que a própria RR pratique a censura nestes comentários. Aconteceu comigo quando fiz um comentário a uma pergunta retórica de FSC sobre o estado da democracia em Portugal, lembrando um artigo que a RR publicou na mesma data onde se apontava a situação complicada que a classe média nacional enfrenta como um factor crítico para a saúde da nossa democracia. O comentário foi feito com toda a correção exigida nos termos e condições e não foi publicada. Isto chama-se censura e aconteceu em democracia...