Tempo
|
Francisco Sarsfield Cabral
Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

Acentuam-se as desigualdades no mundo

20 jan, 2023 • Francisco Sarsfield Cabral • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


As desigualdades agravaram-se muito nos últimos anos. A Oxfam desafiou o encontro de Davos a subir os impostos dos muito ricos. Mas, em democracia, terão de ser as opiniões públicas a levar os políticos a tomar medidas.

É conhecida a tendência da economia capitalista para criar profundas desigualdades. Esta tendência tem vindo a agravar-se, até porque os impostos sobre os ricos e muito ricos baixaram nas últimas décadas. A Oxfam chamou a atenção do fórum de Davos, que reúne homens de negócios e políticos, para o aumento das desigualdades económicas nos últimos anos, que foi vertiginoso. A Oxfam é uma organização internacional, privada, que combate as desigualdades, a pobreza e as injustiças.

Assim, na última década os mais ricos, 1% da população, arrecadaram quase metade de toda a riqueza gerada. E a riqueza dos multimilionários aumentou mais nos últimos dois anos, com a pandemia e a inflação, do que nos 23 anos anteriores. As alterações climáticas vieram agravar ainda mais as desigualdades.

É chocante a passividade perante um tal agravamento das injustiças na distribuição de rendimentos. Recorde-se que já vieram a lume vários exemplos de milionários que pediram aos seus governos para pagarem mais impostos. Alguns desses pedidos refletiram uma lúcida consciência da injustiça social envolvida nos rendimentos dos muito ricos. Outros terão receado sobretudo uma convulsão social, provocada por essas enormes desigualdades. Mas a maioria dos cidadãos parece alhear-se do problema.

Os políticos não agem para mitigar as desigualdades? Mas os responsáveis pela passividade são também os cidadãos, que não reagem à injustiça. A Oxfam quer que os líderes políticos tributem mais os “super-ricos”. Para que tal aconteça, porém, será necessário que nas democracias surja um forte movimento de opinião pública nesse sentido. Se possível, evitando populismos, que as desigualdades alimentam, sobretudo quando são brutais, como é agora o caso.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.