Tempo
|
Francisco Sarsfield Cabral
Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

A recessão e a inflação em 2023

10 out, 2022 • Francisco Sarsfield Cabral • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


Temendo a recessão, os consumidores adiam compras e os empresários adiam investimentos, com o resultado de a recessão passar de ameaça a realidade. Evitemos por isso os alarmismos, ainda que possamos ser acusados de demasiado otimistas.

O Banco de Portugal (BP) assinala que no ano corrente o investimento deverá crescer apenas 0,8%. Entre as várias causas para a quase estagnação do investimento indica o BP a fraca concretização dos projetos dos fundos de Bruxelas que fazem parte do plano português de Recuperação e Resiliência.

Um muito baixo investimento em 2022 anuncia problemas para o crescimento da economia no próximo ano. Mas o primeiro-ministro afirmou na quinta-feira passada que não haverá recessão no país em 2023 (o Banco de Portugal disse o mesmo, mas quanto ao corrente ano).

António Costa baseava-se certamente nos dados do cenário macroeconómico que acompanham o projeto de Orçamento do Estado para 2023, dados que depois foram conhecidos. Aí se prevê que o PIB cresça apenas 1,3% em 2023, o que será insuficiente para um crescimento razoável da economia, mas não configura uma recessão. Soube-se, também, que o Governo estima que no próximo ano a inflação caia para 4%, cerca de metade da inflação atual.

As estimativas do Governo para 2023 são realistas? Digamos que são possíveis, mas não serão as mais prováveis.

O Governo terá sido sensível à conveniência de afastar a ideia de que iremos sofrer uma recessão. É que quanto mais vezes esta ameaça surgir mais provável se torna a recessão acontecer. Temendo essa situação, os consumidores adiam compras e os empresários adiam investimentos, com o resultado de a recessão passar de ameaça a realidade.

O mesmo se diga da inflação. Se o Governo – e o BCE – nos convencerem de que a alta dos preços irá baixar muito, aumentará a probabilidade de tal acontecer no próximo ano. Por outras palavras, evitemos os alarmismos, ainda que possamos ser acusados de demasiado otimistas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Paulo
    14 out, 2022 Portugal 22:54
    Também acho que o Governo está muito optimista. Numa visão de Inflação Recessão, o que vão fazer? Imprimir dinheiro (BCE) e aumentar mais a inflação? Ou aumentar taxas e aumentar mais a Recessão para descer a Inflação?