Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Francisco Sarsfield Cabral
Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

Uma lição do Chile

09 set, 2022 • Francisco Sarsfield Cabral • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


Os chilenos rejeitaram, sem margem para dúvidas, uma constituição considerada altamente progressista. É uma lição também para a UE, onde alguns pretendem avançar sem garantirem o apoio popular para as suas ideias.

Em dezembro do ano passado, no Chile, foi eleito presidente da República Gabriel Boric, de 36 anos, um antigo ativista de esquerda, que se destacara nos protestos contra um regime económico ainda marcado pelos tempos de Pinochet. Mas G. Boric viu no passado domingo 62% dos chilenos rejeitarem uma proposta de constituição de esquerda; apenas 38% votaram “sim” no referendo.

É certo que a popularidade do jovem presidente do Chile tem vindo a cair, situando-se agora em 39% de aprovação. Reconhecendo a derrota de domingo, que foi pesada, G. Boric afirmou: “temos que ouvir o povo (...) que claramente não concordou com o texto constitucional proposto”.

O texto rejeitado tinha muitas medidas consideradas progressistas, designadamente no que respeita às minorias indígenas. Estas minorias passariam a reger-se por um regime jurídico próprio, o que se arriscava a acentuar a divisão entre chilenos “brancos”, digamos, e chilenos indígenas.

Julgo que este referendo deveria servir de aviso para se evitarem insensatas medidas ditas muito progressistas. E que esse aviso deveria ser escutado não apenas na América Latina, onde nos últimos tempos se registou uma certa euforia “de esquerda”, como também na Europa.

Estou a pensar na ligeireza com que certos reformadores da UE propõem mudanças aos tratados europeus, sem se terem preocupado com convencer os povos europeus da bondade das suas propostas.

A história da integração europeia regista várias derrotas em referendos, por exemplo, quando os franceses e pouco depois os holandeses em 2005 rejeitaram a chamada (impropriamente) constituição europeia. A França e os Países Baixos são dois países “fundadores” da integração europeia e no entanto não aceitaram o que lhes propunham

Será de elementar bom senso não repetir casos destes, por muito louváveis que sejam as propostas em causa. A integração europeia só avança se for apoiada pelos europeus.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.