Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Francisco Sarsfield Cabral
Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

Irlanda do Norte, quebra-cabeças do Brexit

21 fev, 2022 • Francisco Sarsfield Cabral • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


Os políticos pró-britânicos da Irlanda do Norte rejeitam a solução encontrada para manter aberta a fronteira com a República da Irlanda. Mas não se vislumbra uma solução substancialmente diferente daquela que Boris Johnson aceitou e depois rejeitou.

Um referendo em junho de 2016 ditou a saída do Reino Unido da UE. As negociações que se seguiram ficaram marcadas pela dificuldade em encontrar uma solução para o problema da Irlanda do Norte.

O Ulster (Irlanda do Norte) faz parte do Reino Unido. Por isso, a fronteira que separa este território da República da Irlanda passaria a ser uma fronteira externa da UE. O que iria contrariar um compromisso de 1998, inscrito no acordo de paz que pôs termo à violência entre protestantes e católicos do Ulster. Foi aí consagrada a promessa de que a fronteira entre o Ulster e a República da Irlanda se manteria aberta.

O governo de Theresa May por três vezes viu a Câmara do Comuns rejeitar a solução acordada com a UE sobre a Irlanda do Norte. T. May demitiu-se, sucedendo-lhe Boris Johnson, um ardente defensor do Brexit.

O governo de Boris J. acordou com a UE que a Irlanda do Norte ficaria no mercado interno comunitário após o Brexit, mantendo-se assim aberta a fronteira com a República da Irlanda. O que implica uma fronteira alfandegária virtual entre o Ulster e o resto do Reino Unido.

No Ulster os partidários da integração no Reino Unido ficaram desagradados com a solução negociada com a UE. Boris J. quis voltar atrás naquilo que negociara. A UE recusou. Agora o governo britânico afirma que vai propor uma outra solução para a Irlanda do Norte.

Mas os políticos pró-britânicos do Ulster decidiram avançar – um ministro “unionista” (pró-britânico) ordenou à sua administração que suspendesse os controles alfandegários nessa fronteira virtual. Receando que tal ordem fosse ilegal (o que um tribunal do Ulster confirmou) os funcionários recusaram-se a cumprir a ordem.

Em suma, não se vislumbra uma solução substancialmente diferente daquela que Boris Johnson aceitou e depois rejeitou. O impasse continua.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.