Tempo
|
Francisco Sarsfield Cabral
Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

A Rússia e a Ásia Central

21 jan, 2022 • Francisco Sarsfield Cabral • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


A sul da Rússia existem hoje cinco repúblicas. Putin interveio no Cazaquistão e quer restabelecer a influência de Moscovo naqueles países. Não será uma tarefa fácil.

O recente tumulto na Cazaquistão, dominado com o auxílio da Rússia, trouxe para a atualidade as cinco repúblicas da Ásia Central que eram parte integrante da União Soviética. A maior dessas repúblicas, o Cazaquistão, tem um território quase do tamanho da Europa – um país enorme.

O Cazaquistão tem grandes reservas de petróleo e gás natural; e é o maior produtor mundial de urânio. O Turquemenistão possui muito gás natural. Também o Uzbequistão tem gás, além de algodão. No Quirgistão uma só mina de ouro representa 10% do produto nacional. E o Tajiquistão, vizinho do Afeganistão, tem características de um estado dominado pelo tráfico de droga.

Recolhi estas informações de um extenso artigo que o semanário “The Economist” dedicou à Ásia Central, que fazia parte da URSS e hoje conta com cinco estados independentes. Um dos problemas desses países relativamente recentes está em que as suas fronteiras foram definidas algo arbitrariamente por Moscovo.

Misturam-se ali as mais variadas etnias, sendo muçulmana a religião predominante. Só para dar um exemplo, vivem ali descendentes de cerca de 500 mil coreanos, deportados à força na década de 30 do século XX. E no Cazaquistão uma minoria de russos representa um quinto da população do país.

Não admira que não se possa falar em democracias em qualquer das cinco repúblicas ex-soviéticas. Quando muito, existem ali tentativas de modernizar o estado, tornando-o menos autoritário e despótico. Mas o trabalho forçado existiu nos campos de algodão do Uzbequistão até há poucos anos.

Putin pretende restabelecer a influência da Rússia naqueles países, o que não irá naturalmente contribuir para qualquer evolução democrática. Os regimes autoritários continuarão a prevalecer naquela vasta região. E é possível que estes vizinhos da Rússia e também da China criem alguns problemas a Putin, que talvez o levem a não se preocupar tanto com a Ucrânia.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.