Tempo
|
Francisco Sarsfield Cabral
Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

20 anos depois

10 set, 2021 • Francisco Sarsfield Cabral • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


Os ataques suicidas em Nova York e Washington há vinte anos foram uma humilhação para os americanos superior à sofrida agora com a retirada caótica do Afeganistão. Pior: a reação dos EUA aos ataques abalou a sua razão moral na luta contra o terrorismo.

Os terríveis ataques suicidas há 20 anos provocaram um enorme choque nos EUA e no mundo. Pela primeira vez os americanos eram violentamente atacados no seu território por 19 pilotos suicidas, quase todos sauditas, que haviam tomado o controle de quatro aviões comerciais. Dois desses aviões foram deliberadamente levados a embater contra as célebres torres gémeas de Nova York, fazendo cerca de três mil mortos.

Foi de certo modo pior do que Pearl Harbor, quando os japoneses, em dezembro de 1941, sem prévia declaração de guerra, atacaram e dizimaram a aviação militar dos EUA estacionada numa base do Pacífico. Como depois Hitler cometeu um erro fatal – declarou guerra aos EUA – os americanos entraram assim na II Guerra Mundial e não apenas contra os japoneses. O poder militar dos EUA foi decisivo para derrotar os nazis.

Os ataques suicidas em Nova York e Washington há 20 anos foram uma humilhação para os americanos superior à sofrida agora com a retirada caótica do Afeganistão. E a resposta aos ataques terroristas levou a administração de Bush (filho) a tomar medidas lamentáveis, como o emprego de tortura (com outro nome, claro) nos interrogatórios a suspeitos.

E a prioridade dada a evitar novos ataques terroristas conduziu a uma vigilância invasiva da privacidade dos americanos, com o recurso a escutas sem autorização de um juiz. Assim os EUA abalaram a sua razão moral na luta contra o terrorismo.

Mais de 700 suspeitos chegaram a ocupar a prisão secreta de Guantánamo, em Cuba, durante longos e indefinidos períodos. Duas décadas passadas sobre os atentados, ainda ali se encontram quatro dezenas de suspeitos, que os políticos dos EUA não querem libertar nem julgar em solo americano. Guantánamo continua por encerrar.

E foi como reação aos atentados de 11 de setembro de 2001 que os neoconservadores empurraram Bush (filho) para a infausta invasão do Iraque. Uma invasão lançada sob o falso pretexto de que Saddam Hussein estaria na posse de armas de destruição maciça. Essa invasão proporcionou o aparecimento do “Estado Islâmico” (Daesh), que hoje está ativo em várias partes do mundo, sobretudo em África.

Na presidência de Obama os EUA lograram abater Osama bin Laden, líder da Al Qaeda, organização terrorista que preparou os atentados de 11 de setembro. Bin Laden estava escondido no Paquistão, cujos serviços secretos certamente o apoiaram.

Agora J. Biden promete perseguir os terroristas, mas sem para isso destacar forças militares. Tarefa que envolverá a multiplicação dos ataques com “drones”, como nas presidências de Obama acontecera. Não será uma guerra bonita.
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Ivo Pestana
    10 set, 2021 Madeira 13:08
    Os EUA, desvalorizam a força dos outros. Foi mais uma derrota, a juntar a muitas e recentemente no Afeganistão. Por causa de governantes lunáticos e imprudentes, morrem muitos inocentes e muitos ainda bajulam esta gente. Por tudo isto, Jorge Sampaio, António Guterres e Marcelo Rebelo de Sousa..., deveriam servir de exemplo àqueles insensatos que governam as Américas.
  • António J G Costa
    10 set, 2021 Cacém 08:50
    O ataque às terres gêmeas, em Nova York, foi antes um enorme "tiro no pé" dos financiadores do "terorismo". Mostraram as "Reais Intenções" cedo de mais! Os regimes que financiam, apoiam e treinam terroristas são sistemas totalitários. Governam na violência e no terror! Não entendem nem percebem o Ocidente! Nos seus países a queda de um lider acaba em linxamento de rua! Não entendem o conceito de ser Livre ou da Democracia! O problema é que os Ocidentais não entendem, que a "Liberdade e Democracia", separar Deus de César, foi o resultado de 2000 anos de ensinamentos cristãos. 2000 anos! Não apareceram por geração "espontânea" !