Tempo
|
Explicador Renascença
As respostas às questões que importam sobre os temas que nos importam.
A+ / A-
Arquivo
Nova greve dos professores. O motivo do protesto continua a ser o mesmo?

Explicador Renascença

Nova greve dos professores. O motivo do protesto continua a ser o mesmo?

06 out, 2023 • Sérgio Costa


Os professores realizam esta sexta-feira uma greve nacional a exigir melhores condições de trabalho. É a primeira paralisação no atual ano letivo convocada pela plataforma de nove estruturas sindicais.

Esta sexta-feira regressa a greve dos professores, razão pela qual muitas escolas podem não abrir.

O motivo do protesto continua a ser o mesmo?

Sim, um protesto pela recuperação do tempo de serviço dos professores que ficou congelado no tempo da Troika, ou seja, um período em que não houve progressões na carreira nem aumentos salariais. Os professores querem que esse tempo- e aqui tempo é mesmo dinheiro- seja restituído. São os tais seis anos, seis meses e 23 dias.

O Governo continua intransigente ou poderá haverá mais abertura para negociar?

Absolutamente intransigente. Isso mesmo sublinhou António Costa na recente entrevista concedida à CNN. O primeiro-ministro disse mesmo que não pode comprometer-se com algo que diz não poder cumprir e que diz ser insustentável para o país.

Por que é que o Governo diz ser insustentável?

Porque, diz o Governo, é muito dinheiro. De acordo com um cálculo já feito pelo Ministério das Finanças, citado pelo Expresso em Fevereiro, a recuperação do tempo de serviço dos professores pode custar 331 milhões de euros por ano. O estado teria que despender esse valor todos os anos porque esse é um valor de progressão de carreira. Diz o Governo que é insustentável. Para que se perceba, este é um valor idêntico ao que o estado já pagou este ano aos profissionais de saúde em horas extraordinárias e os problemas do SNS continuam.

Mas os professores dizem que esse é um valor a que têm direito. Não é uma questão de justiça?

É de facto o argumento dos professores, mas o Governo também diz que se restituir esse valor aos docentes terá que o fazer também com outros sectores da administração pública. Aí o valor seria muito mais elevado e, diz o Governo, podem ficar em causa as contas públicas.

Mas já foram apresentadas outras propostas. Continuam a não ser solução?

Se olharmos em particular para a proposta do PSD, vemos que se propõe a restituição dos valores congelados de forma faseada, cerca de 20% ao ano. Pretende-se aqui atribuir o mesmo valor, mas distribuindo por vários anos. O PSD garantiu que não coloca em causa as contas do estado, mas ainda temos de aguardar pelos prometidos pareceres solicitados pelo próprio PSD.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.