Em Nome da Lei
O direito e as nossas vidas em debate. Um programa da jornalista Marina Pimentel para ouvir sábado às 12h.
A+ / A-
Arquivo
Abusos na igreja. PJ diz que "não há vítimas identificadas" e "investigação será difícil"

Em Nome da Lei

Abusos na igreja. "Não há vítimas identificadas, investigação será difícil", diz PJ

17 mar, 2023 • Marina Pimentel , Daniela Espírito Santo


Comissão Independente que estudou os abusos na Igreja recomendou celeridade na avaliação e resposta do sistema judiciário, mas desejos esbarram com a realidade.

A investigação de abusos sexuais na Igreja será difícil porque não há vítimas identificadas nos casos comunicados pela Comissão Independente ao Ministério Público.

O alerta parte do coordenador do combate ao crime sexual da Polícia Judiciária [PJ], José Matos, em declarações ao programa "Em Nome da Lei", da Renascença, que será transmitido na íntegra no sábado, depois do meio dia.

"A criminalidade sexual é um crime contra as pessoas e nós não temos uma vítima", explica.

"Nos processos que foram transmitidos à polícia não há vítimas identificadas. Não havendo vítimas identificadas não conseguimos ter a evidência do abuso", esclarece. "Não consigo fazer prova, não consigo fazer realização da justiça. Acresce a isto o facto de serem denúncias de factos muito antigos", lamenta, igualmente, José Matos.

A Comissão Independente que estudou os abusos na Igreja recomendou que haja celeridade na avaliação e resposta do sistema judiciário. Leonor Furtado, juiz no Supremo Tribunal de Justiça, garante, no entanto, que morosidade não é um problema dos processos de abuso sexual de crianças e jovens.

"Não é um problema da Igreja, é um problema de todos nós"

"Normalmente, este tipo de processos tem uma tramitação célere, são investigados com muito rigor e os tribunais têm uma capacidade de intervenção e de compreensão do que está em causa que se transmite e se revê depois nas próprias penas que são aplicadas", assegura.

Quanto ao caso dos abusos sexuais no seio da Igreja, Leonor Furtado sente que deveria merecer de toda a sociedade uma profunda reflexão e não reações epidérmicas, como alterações legislativas sobre a prescrição do direito de denúncia da vítima.

"A história dos abusos é uma história de fingimento. Todas as pessoas que têm conhecimento dos abusos e que sabem olham para o lado. Às vezes é preciso uma tentativa de suicídio para [a história de abuso] vir ao de cima", reitera.

Por isso, Leonor Furtado defende que "não é um problema da Igreja, é um problema de todos nós". "Todos nós devíamos seriamente falar e discutir esta questão, não reagir epidermicamente e fazer alterações legislativas", reforça.

70% dos crimes sexuais em Portugal vitimam crianças e jovens

A maioria dos abusos acontece em meio familiar e são cada vez mais os casos, assegura a juiz conselheira. O coordenador do combate ao crime sexual da PJ confirma: a maior parte dos casos continuam a acontecer no seio da família. Aliás, José Matos revela mesmo que setenta por cento dos crimes sexuais em Portugal são contra crianças e jovens. "Setenta por cento dos processos que entram [na PJ] são perpretados contra crianças e jovens", reforça. Apesar disso, não se pode falar de uma subida do número de abusos nos últimos anos, admite. Em 2019, a PJ registou um pico mas, nos dois últimos anos, os números estabilizaram.

Em Nome da Lei sobre abusos sexuais
Em Nome da Lei sobre abusos sexuais

"2019 foi o ano em que, efetivamente, tivemos mais casos detetados, cerca de 2700. Em 2020 temos outro aumento, mas tem a ver, principalmente, com a questão da criminalidade online. Em 2021 e 2022 estabilizou, por assim dizer, à volta dos 2400 processos na PJ", acrescenta.

Revitimização é um dos problemas do sistema

A revitimização mantém-se como um dos problemas do sistema. Uma criança vítima de abuso em Portugal tem de repetir a sua história oito vezes, realidade constatada num estudo da Comissão Nacional de Promoção e Proteção de Crianças e Jovens.

Maria Fátima Duarte, desta Comissão, admite que obrigar uma vítima a contar oito vezes os abusos sexuais, além de lhe causar um enorme sofrimento, acaba por distorcer o seu testemunho.

"Uma criança que é obrigada a contar oito vezes, quando chega à quinta ou a sexta vez está tão massacrada... Isto, sob o ponto de vista psíquico, mental, provoca uma erosão e um cansaço e um sofrimento tal que, muitas vezes, uma criança já não conta tudo exatamente como contou da primeira vez ou da segunda", salienta Maria Fátia Duarte.

José Matos lamenta, igualmente, que a PSP nem sempre comunique com rapidez a denúncia do crime à Judiciária, o que tem como consequência a perda de prova material do crime, que o Instituto de Medicina Legal já não poderá validar.

Todas as horas são cruciais

Todas as horas são cruciais nestes casos. José Matos dá o exemplo de um abuso que tenha ocorrido no espaço de 72 horas e que tenha sido descoberto, por exemplo, numa escola às dez da manhã. Se, "por via deste desconhecimento, a PJ só vier a ter conhecimento às três ou quatro da tarde, quando promover o exame àquela criança o perito vai dizer 'não. já não faço. Já passaram 74 ou 75 horas", explica.

A gestora da rede da APAV de apoio a crianças e jovens vítimas de violência sexual, Carla Ferreira, também apela aos adultos com quem as vítimas quebram o silêncio para se diririgem de imediato à Polícia Judiciária para reduzir ao mínimo a revitimização.

Carla Ferreira explica que, muitas vezes, quando uma criança fala com uma pessoa adulta de confiança e revela uma situação de crime sexual, a pessoa adulta fica "perdida" e, sentindo-se "incapaz de gerir a situação", "agarra na criança e coloca-a a falar com A, B, C, D...". "Só quando chega quase ao fim do alfabeto é que alguém diz: 'Ah, pois então isto tem de ser denunciado à Polícia Judiciária", lamenta. Para impedir tal cenário, defende, a criança que denuncie uma situação de crime sexual "deve ser imediatamente protegida e o seu testemunho não deve ser reiterado".

Quanto ao alargamento até aos 30 anos da idade do período em que a vítima pode denunciar o crime, já aprovada pelo Parlamento, o coordenador do combate ao crime sexual da PJ defende que a medida não terá efeitos significativos sobre a investigação criminal. Pode, eventualmente, representar um conforto para as vítimas que, muitas vezes, precisam de "muitos anos para terem confiança nelas próprias para conseguirem expor" e fazer "a catarse do trauma que lhes aconteceu". "Em termos de proficuidade para a investigação criminal penso que será residual", defende.

Já Carla Ferreira, da APAV, considera a medida positiva, posição partilhada por Maria de Fátima Duarte que, no entanto, faz questão de sublinhar que a medida deveria ser objeto de maior reflexão para não fazermos mudanças legislativas a reboque de casos mediáticos.

O programa Em Nome da Lei é transmitido aos sábados na antena da Renascença e fica, depois, disponível nas principais plataformas de podcast e em rr.sapo.pt

[notícia atualizada às 11h02 de sexta-feira, 17 de março de 2023]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.