Tempo
|
Conversas Cruzadas
Programa sobre a atualidade que passa ao domingo, às 12h00.
A+ / A-
Arquivo
Conversas Cruzadas - Agravamento da Pandemia
Conversas Cruzadas - Agravamento da Pandemia

CONVERSAS CRUZADAS

"Joga-se tudo nas próximas semanas"

31 jan, 2021 • José Bastos


D. Américo Aguiar, Rosário Gamboa e Nuno Botelho na análise do agravamento da pandemia.

Portugal foi esta semana o país do mundo com mais novos casos e mais mortes por milhão de habitantes na pandemia de Covid-19 e os especialistas alertam para a possibilidade de se chegar à primavera com os piores números do planeta acumulados na proporção para o total da população.

A trajetória das linhas portuguesas de contágio continua visivelmente demarcada da média dos outros estados-membros da UE, mas reduziu o crescimento nos últimos dias. Os números da próxima semana serão decisivos para perceber se o abrandamento se consolida e, mais importante, se desenha uma tendência de regressão nas infeções e alívio da pressão nos hospitais.

Neste pano de fundo, o presidente reeleito falou ao país, deixando antever que o novo confinamento irá durar, pelo menos, até final de março. O Presidente da República na sua intervenção mais dura desde o início da pandemia alertou para “o número de mortos que cresce a um ritmo que há meses era inimaginável”. E, prosseguiu, “com ele cresce a perigosa insensibilidade à morte. Com essa insensibilidade cresce a negação do estado de emergência, do confinamento”.

“O que for feito até março, inclusive, determinará o que vai ser a primavera, o verão e, quem sabe, o outono”, defendeu Marcelo Rebelo de Sousa, concluindo que “joga-se tudo nas próximas semanas”.

O choque da realidade interpela a sociedade e os decisores políticos. Ser o pior país do mundo em mais de 200 não pode ser um dado explicado apenas pela falta de sorte, mas por erros e insuficiências num vasto conjunto de circunstâncias. O que correu mal na análise de informação e na antecipação de riscos? O que falhou de substantivo no comportamento social?

São algumas das perguntas para a análise de D. Américo Aguiar, bispo auxiliar de Lisboa, Rosário Gamboa, professora universitária e deputada do PS e Nuno Botelho, presidente da ACP – Câmara de Comércio e Indústria.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.