Casa Comum
Paulo Rangel e Fernando Medina debatem a política nacional e europeia. Quarta às 13h.
A+ / A-
Arquivo
Casa Comum - Fernando Medina questiona BE. Quanto custaria a nacionalização do Novo Banco? - 13/03/2019
Casa Comum - Fernando Medina questiona BE. Quanto custaria a nacionalização do Novo Banco? - 13/03/2019
Mais Opções
Partilhar
​Casa Comum

Fernando Medina questiona BE. Quanto custaria a nacionalização do Novo Banco?

13 mar, 2019 • Redação


No programa Casa Comum desta semana, o autarca socialista lembra que os bloquistas votaram orçamentos do Estado com verbas para o Fundo de Resolução e critica a "lei da rolha" em ano eleitoral.

O Bloco de Esquerda (BE) votou os orçamentos com verbas para o Fundo de Resolução e deve explicar aos portugueses os custos da solução que defende de nacionalização do Novo Banco, desafia o socialista Fernando Medina no programa Casa Comum da Renascença.

O presidente da Câmara de Lisboa considera normal que os partidos queiram marcar diferenças neste ano eleitoral, mas a líder bloquista Catarina Martins “não é justa” na crítica ao PS em relação à solução encontrada para o Novo Banco.

Os dois partidos divergem sobre o Novo Banco e Catarina Martins deve explicar os custos e os benefícios da nacionalização do banco, sublinha.

“De facto, há uma diferença de opinião entre o PS e o Bloco de Esquerda neste tema. Catarina Martins acha que o banco deve ser nacionalizado e o PS acha que deve ser vendido, como foi vendido. E era bom ver as vantagens e desvantagens das duas soluções. O que Catarina Martins poderá explicar de forma mais clara é dizer aos portugueses quais são os custos e benefícios da nacionalização do banco.”

O Bloco de Esquerda comparou a atuação dos socialistas a Passos Coelho em relação ao Novo Banco.

Fernando Medina considera que Catarina Martins deve também responder o que levou o BE a votar os Orçamentos do Estado em que os empréstimos ao Fundo de Resolução estavam contemplados.

“O Bloco de Esquerda votou os orçamentos em que os empréstimos do Estado ao Fundo de Resolução estavam identificados e estavam lá colocados. Por isso, o voto do Bloco de Esquerda também serviu para seguir a mesma política”, argumenta.

“Lei da rolha” em ano de eleições

Sobre a polémica em torno das restrições a ações dos políticos em ano eleitoral, Fernando Medina dá exemplos de ações de publicidade que a Comissão Nacional de Eleições (CNE) não permite na interpretação que esta faz da lei.

“A aprovação, por unanimidade, pela câmara municipal, numa decisão que envolva a maioria e oposição, não pode ser publicitada, não pode ser divulgada, violando o nosso dever de publicidade das decisões que tomamos”, refere o autarca socialista.

O comentador do programa Casa Comum concorda que devem existir regras mais apertadas para as câmaras, mas apenas em caso de autárquicas. A Câmara de Lisboa vai seguir a posição do Governo e apela à clarificação da lei na Assembleia da República, adianta.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • João Lopes
    14 mar, 2019 10:24
    Os comunistas são "muito generosos" com o dinheiro dos outros...