|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

Euranet
Visto de Bruxelas
Semanalmente, um olhar sobre a atualidade europeia. Quinta às 13h.
A+ / A-
Arquivo
2020.05.21 VISTO DE BRUXELAS
2020.05.21 VISTO DE BRUXELAS

​VISTO DE BRUXELAS

Eixo franco-alemão tenta salvar UE

21 mai, 2020 • Celso Paiva com Vasco Gandra


A semana fica marcada por uma iniciativa conjunta de Paris e Berlim. Angela Merkel e Emmanuel Macron propõem aos 27 criar um fundo de recuperação económica de 500 mil milhões de euros para apoiar os setores e regiões mais atingidos pela pandemia.

O motor franco-alemão volta a dar sinais de entendimento. Propõe, entre outras coisas, que a Comissão emita dívida comum e vá buscar fundos aos mercados para apoiar os países afetados.

O Presidente francês e a Chanceler alemã anunciaram, esta segunda-feira, numa conferência de imprensa conjunta, um acordo para lançar um fundo de 500 mil milhões de euros para financiar a recuperação económica dos países mais afetados pela crise provocada pela covid-19.

“É uma solução de curto prazo”, explicou Angela Merkel, através de videoconferência, em conjunto com Emmanuel Macron, sublinhando que “temos de atuar de forma europeia para sair desta crise”. Uma solução que não passa por empréstimos, mas, sim, subvenções aos países afetados. Por isso, os beneficiários não terão de reembolsar as ajudas.

Esta proposta será integrada no plano de recuperação que está a ser preparado pela Comissão Europeia, no valor de dois biliões de euros.

A chanceler alemã explicou que os fundos serão levantados em conjunto pela Alemanha e França nos mercados financeiros sendo distribuídos pelos Estados-membros mais afetados e esclareceu que o seu custo será proporcional à contribuição de cada país para o Orçamento comunitário. Mas a proposta terá de ser aprovada pelos 27 Estados-membros da União Europeia. O objetivo é “apoiar uma recuperação sustentada que restabeleça e reforce o crescimento na UE”.

Segue-se Bruxelas

Espera-se agora que a Comissão apresente as suas propostas de orçamento europeu e o fundo de recuperação económica que ajude a Europa a ultrapassar a crise.

Justamente a recessão económica provocada pela pandemia de coronavírus, marca também as recomendações para os Estados-membros que a Comissão apresenta no âmbito do chamado Semestre Europeu - o processo de coordenação das políticas económicas.

Bruxelas dirige várias recomendações a Portugal e restantes países para combater as consequências económicas e sociais da pandemia.

A Comissão também afasta por agora a abertura de procedimentos pelo desrespeito das regras de disciplina orçamental.

Este conteúdo é feito no âmbito da parceria Renascença/Euranet Plus – Rede Europeia de Rádios. Veja todos os conteúdos Renascença/Euranet Plus.
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.