Tempo
|
Euranet
Geração Z
Nasceram na era das tecnologias de informação, são mais práticos e mobilizam-se por causas. Até dispensam o carro e a casa, também porque não têm grandes salários para pagá-los, mas arriscam ter o seu próprio negócio. Como podemos ajudá-los? Quais os medos que enfrentam? Que tal começarmos por ouvi-los? "Geração Z" é um podcast quinzenal, publicado à quarta-feira, às 18h, da autoria do jornalista Alexandre Abrantes Neves. Esta é uma parceria Renascença/Euranet Plus.
A+ / A-
Arquivo
Geração Z. "Ativismo pode ficar em risco devido a problemas como a crise na habitação"
Ouça aqui o episódio desta semana. Foto: Tiago Canhoto/Lusa

Geração Z

"Ativismo pode ficar em risco devido a problemas como a crise na habitação"

21 fev, 2024 • Alexandre Abrantes Neves


Saem as juventudes partidárias, entra o ativismo. Os jovens estão cada vez mais afastados dos partidos políticos - e, em parte, devido à falta de transparência nas propostas eleitorais. Neste episódio, sentamo-nos à mesa com dois jovens - e discutimos os riscos e limites do ativismo, a importância da Europa nas novas formas de participação política e até os debates para as legislativas.

Mais rapidamente saem para as ruas com cartazes e criam contas nas redes sociais para defender causas do que abanam bandeiras partidárias no final de um comício partidário. Os jovens estão cada vez mais interessados pelo ativismo – e não só – e até há quem diga que até podem estar a condenar ao falhanço as juventudes partidárias.

Mas será que esta distância entre partidos e jovens se sente nos debates para as legislativas? E o poder político, não devia dar mais ouvidos a estes movimentos como faz com os sindicatos? A nível europeu, que espaço há para o ativismo?

Para esclarecer todas as questões, o podcast Geração Z, da Renascença, convidou dois jovens que, apesar do trabalho e dos estudos, fizeram questão de nunca deixar o ativismo e a vida cívica de parte.

Inês Franco Alexandre é membro do grupo de reflexão “O Futuro Já Começou”, criado pelo Presidente da República para colocar jovens a discutir temas nacionais e globais relacionados com o futuro. Em janeiro deste ano, lançou em conjunto com mais seis amigos o Coletivo Matéria, uma plataforma criada em plena pré-campanha para as legislativas para apresentar propostas de jovens aos líderes políticos.

Já David Almeida tem o coração dividido entre duas causas: o feminismo e a anticorrupção. Desde 2022, é presidente da secção de Lisboa do movimento HeForShe, dedicado à igualdade de género. Um ano depois, assumiu o desafio de se tornar assistente de projetos na Transparência Internacional Portugal, dedicada à prevenção e à luta contra a corrupção.

Apesar de esta ser a primeira vez que se cruzam numa conversa, não demora muito até chegarem a um consenso: os partidos políticos não se souberam adaptar à forma como os jovens querem e são estimulados a participar na política atualmente.

Temos de criar diálogos diretos entre governos e ativistas, por exemplo através da concertação social

Inês Franco Alexandre explica que os jovens já não se reveem em ideologias específicas e preferem cada vez mais as causas que defendem. E se as forças políticas pecam por “utilizarem mal as redes sociais” e por optarem por uma “mensagem muitas vezes complexa”, a lista de pontos a melhorar não fica por aí: Inês pede mais transparência nos programas eleitorais.

“Não é nada fácil perceber como é que as medidas vão ser executadas, quais é que são os orçamentos, quais é que são os resultados, como é que vamos avaliar, como é que vamos monitorizar… Os jovens cada vez mais querem ser impactados por causas e por líderes, e não por um caderno de encargos com os quais não se identificam”, defende.

Esta distância, para Inês Franco Alexandre, é evidente nos debates para as legislativas, onde os líderes partidários dedicam mais tempo “a falar sobre o problema do jovem e não sobre a solução para que possamos ter a vida impulsionada de outra forma”.

Soluções? Quotas para jovens e ativismo na concertação social

David Almeida não tem dúvidas de que deputados mais jovens na Assembleia da República aproximariam as gerações mais novas da política – e não vê com maus olhos a inserção de quotas para jovens nas listas para o Parlamento, como atualmente já existe para garantir a igualdade de género.

“Olhamos para um Parlamento e, em 230 deputados, não há muitos jovens e, mesmo os poucos que há, não refletem necessariamente a diversidade daquilo que é a população portuguesa. Isto acaba por desmoralizar os jovens. Eu sou a favor da das quotas relativamente ao género, possivelmente a favor relativamente a outras questões demográficas que são, de facto, relevantes [como a idade]”, detalha.

Inês Franco Alexandre concorda, mas vai mais longe: quer que se abram canais de diálogos diretos entre os movimentos de ativismo e os decisores políticos – por exemplo, equiparando os ativistas a sindicalistas e incluindo-os nas reuniões de concertação social. A cofundadora do Coletivo Matéria reforça que esta é apenas uma de “várias formas para aumentar a participação”, mas realça a urgência de criar um “estatuto legal que coloque as organizações, associações juvenis ou movimentos coletivos dentro do espaço de decisão”.

Literacia para o ativismo: “Precisa-se!”

Sobre os bloqueios de estradas ou destruição de montras de lojas por alguns grupos de ativistas, Inês Franco Alexandre recusa criticar estas ações – considera apenas que estes movimentos devem clarificar as suas intenções para “garantir que não afastam o cidadão comum”.

“O cidadão comum acha que algumas ações estão a prejudicar o seu dia a dia e nós temos de saber dar resposta. Os media chegam ao local e não há ninguém capaz de explicar o porquê de algumas ações. É preciso mais literacia [para a população]. (...) Eu não coloco em causa as ações, mas sim o momento em que elas acontecem.”

E neste trabalho de aproximar a sociedade, David Almeida acredita que os movimentos devem “complementar trabalhos” e “encontrar sinergias” – e, principalmente, estar atentos aos problemas que podem colocar em risco a sobrevivência do ativismo.

“A crise da habitação é uma ameaça profunda a qualquer tipo de ativismo. O ativismo é muito bonito, em teoria, mas, na prática, também tem de ser sustentável - e ninguém fará o ativismo pela cidade de Lisboa se ninguém viver na cidade de Lisboa. Tem de haver este esforço contínuo [de atenção]”, afirma.

Ativismo é a receita para destacar um “projeto para Portugal na Europa”

Seguindo o rasto deixado pelos últimos episódios do Geração Z, da Renascença em parceria com a EuranetPlus, David Almeida destaca a falta de conhecimento sobre a União Europeia como um dos maiores problemas dos jovens na atualidade.

Não é nada fácil perceber como é que as medidas vão ser executadas. Os jovens cada vez mais querem ser impactados por causas e por líderes, e não por um caderno de encargos com os quais não se identificam

O presidente da HeForShe Lisboa relembra que já há alguns movimentos de ativismo em Portugal que se dedicam às questões da Europa – não só a mobilizar os jovens, mas também a fazer uma avaliação das políticas relacionadas com os 27.

“Não faltam notícias sobre a bazuca europeia e como esses apoios são fundamentais para mobilizar e inovar na nossa economia. É preciso que as forças da sociedade civil destaquem essa importância, [mas que também estejam] atentas à gestão desses fundos. Temos de fazer esse escrutínio e essa avaliação. Não podemos ter um projeto para o país, que não seja um projeto para Portugal na Europa”, remata.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.