Tempo
|
Euranet
Decidir Europa
Todas as semanas, um convidado especial fala sobre os grandes temas da Europa e do mundo no programa "Decidir Europa", com edição do jornalista José Bastos.
A+ / A-
Arquivo
Decidir Europa - Luís Carvalho Lima e o imobiliário - 22/01/2021
Decidir Europa - Luís Carvalho Lima e o imobiliário - 22/01/2021

Decidir Europa

Luís Carvalho Lima e o imobiliário

22 jan, 2021 • José Bastos


Gestor da APEMIP analisa os desafios da pandemia e a nova ideia de casa.

A pandemia tem um enorme impacto em todos os setores económicos, da indústria ao comércio até ao turismo, e claro, também no mercado imobiliário, atividade chave em Portugal e na Europa como destino de investimento estrangeiro e através do emprego que gera na construção, como se provou na recuperação pós-crise de 2011.

O confinamento bloqueou o fluxo de movimentos entre países e continentes comprometendo transações e operações económicas. Por outro lado, a incerteza dos primeiros meses – decisiva num setor que se retroalimenta de confiança no médio e longo prazo – só terá fim com a generalização da vacina que previna os contágios.

O distanciamento social teve efeitos nas visitas aos imóveis, mas, até aí o setor reage com avanços tecnológicos, que suavizam a falta de contacto social, e a melhoria de assessoria aos clientes estrangeiros para identificar as melhores oportunidades e saber reconhecê-las.

Não apenas video-chamadas, mas ferramentas que facilitam a assinatura de documentos oficiais, sabendo os especialistas que não se compram imóveis só com uma visita virtual. É uma decisão demasiado importante para dispensar a visita física. Ainda assim, a tecnologia vai ajudar os agentes imobiliários a não perder essas oportunidades de negócio.

Mas se o universo das transações imobiliárias teve um travão no confinamento de março, as estatísticas mostram recuperação nos meses de verão. Desta vez, resulta claro não ser uma crise parecida à do início da década já que se espera uma recuperação do mercado muito mais rápida num setor que promete um desempenho positivo com retornos financeiros apetecíveis face a outras opções.

E dependendo da cidade, localização e características do imóvel que impacto terá a pandemia no preço? Afinal parece inevitável que perante uma crise mundial e o aumento do desemprego os preços se adaptem e ajustem à capacidade dos compradores. Mas a queda de preços pode converter-se então numa excelente oportunidade de aumento de vendas para os agentes imobiliários que oferecem já imóveis adaptados “ao novo normal”.

E depois de milhares levarem a cabo a maioria da atividade quotidiana sem sair da habitação há já “uma nova ideia de casa” depois do confinamento? A casa pós-Covid como ‘espaço coworking’ com compradores a procurar mais luz, espaço e áreas abertas e mais divisões para delimitar zonas de trabalho e ócio?

E altera-se também a localização preferencial? Afinal, deixou de ser necessário viver no centro das cidades e pode optar-se por zonas mais tranquilas das “cidades de 15 minutos”, na designação de Carlos Moreno para urbanistas e arquitectos, localidades onde o essencial não está longe.

Sobre estas questões e o momento do setor em Portugal, e na Europa, a reflexão é do nome incontornável da área, o gestor Luís Carvalho Lima, o presidente da APEMIP – e vice-presidente da Confederação do Comércio e Serviços de Portugal (CCP) e da CPCI - Confederação Portuguesa da Construção e do Imobiliário.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.