|
Em Nome da Lei
O direito e as nossas vidas em debate. Sábado às 12h, com repetição domingo às 0h
A+ / A-
Arquivo
Em Nome da Lei - Violência contra médicos - 18/01/2020
Em Nome da Lei - Violência contra médicos - 18/01/2020

Agressões nos hospitais. Secretário de Estado prescreve “melhores salas de espera, com revistas e comidas leves”

18 jan, 2020


Os recentes casos de agressões a médicos estiveram em debate no "Em Nome da Lei".

O Secretário de Estado da Saúde está contra o agravamento das penas aos agressores de médicos e enfermeiros – algo pedido pelos profissionais do SNS numa petição entregue na Assembleia da República. António Lacerda Sales defende que “não é pela repressão que se combate a violência nos hospitais e centros de saúde. Mas a aposta deve ser antes na prevenção”.

Até setembro de 2019, a plataforma criada pela Direção-Geral da Saúde registou a denúncia de quase mil casos de agressões contra profissionais de saúde; uma média de 3 a 4 agressões por dia. António Lacerda Sales admite que fatores como os tempos de espera poderão contribuir para um ambiente de tensão entre os utentes do SNS. Mas argumenta que os médicos também mudaram de comportamento, passando a notificar as ocorrências, o que antes não faziam.

O Secretário de Estado da Saúde diz que o que é preciso é evitar que aconteçam as situações de violência. E para baixar a tensão entre utentes e profissionais de saúde, prescreve “melhores salas de espera nos hospitais, com revistas e comidas leves”.

Médica contesta “chazinhos e bolos” para atenuar tensões nas salas de espera
Médica contesta “chazinhos e bolos” para atenuar tensões nas salas de espera

Isabel Martins, uma das médicas que assinou a petição entregue na AR a pedir o agravamento das penas contra quem agrida médicos e enfermeiros, contrapõe que “não é com chá e bolos” que o Governo conseguirá baixar a tensão que se vive no SNS. As pessoas chegam aos hospitais cheias de dores. Querem é ser atendidas o mais rapidamente possível”, argumenta a médica, que trabalha atualmente na medicina privada, mas esteve durante muitos anos no SNS.

Isabel Martins defende que é preciso criar condições no Serviço Nacional de Saúde para que os utentes tenham menos razões de queixa. Mas é preciso também agravar as penas aos agressores. Uma opinião partilhada pela bastonária da Ordem dos Enfermeiros. Ana Rita Cavaco defende também que não pode continuar a haver crime sem castigo. E dá o exemplo inglês, onde “quem agride um profissional de saúde é penalizado com a perda do direito de assistência gratuita durante um ano”.

Para Ana Rita Cavaco não basta, no entanto, agravar as penas aos agressores; é preciso criar condições no SNS. A bastonária da Ordem dos Enfermeiros cita o exemplo do hospital de Santarém, “onde há vários meses não corre água quente nas torneiras do serviço de urgências”. A responsável contesta também que “os hospitais tenham de pagar para terem policiamento quando o mesmo não acontece noutros serviços públicos, como escolas ou tribunais.”

O deputado do PSD Ricardo Baptista Leite, também ele médico de profissão, defende que “as administrações hospitalares têm de ser responsabilizadas pelo estado em que se encontram os hospitais, quer para os utentes, quer para os profissionais que lá trabalham.”

Ricardo Baptista Leite revela que” não se lembra de ter passado por nenhum serviço do SNS em que não tivesse assistido a comportamentos de violência da parte de utentes e defende que as razões são múltiplas. A médica Helena Sofia Antão, que coordenou um estudo recente sobre violência em meio hospitalar, diz que “a conclusão a que chegou é que há 3 razões principais que podem estar na origem das agressões. No serviço de Urgências onde foi feito o estudo, entre as razões na origem das agressões estavam “os longos tempos de espera “, seguidos de problemas de organização do espaço que permitem que toda a gente possa aceder às zonas onde os doentes são vistos e assistidos.

Helena Sofia Antão, que coordenou o estudo publicado na revista “Ata Médica Portuguesa”, aponta também como fundamental para reduzir a violência contra profissionais de saúde “mais agentes de segurança” nos hospitais e centros de saúde.

São declarações ao programa de informação da Renascença “Em Nome da Lei”, que este sábado debateu o aumento das agressões contra profissionais de saúde e em que medida são um sinal da degradação do SNS.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    18 jan, 2020 Lisboa 16:23
    O Secretário de Estado da Saúde António Lacerda Sales, é o típico político que lança propaganda as bateladas para minimizar os problemas e para esconder que não vai fazer nada de relevante. As pessoas não vão passear para as urgências dos Hospitais. Vão lá porque estão em sofrimento. Ele que experimente dar umas revistas ou "alimentos leves" a alguém em sofrimento, que está numa urgência há 5 ou 6 horas à espera para ser atendido. Com sorte, só o mandam para aquele sítio. Caso contrário, arrisca a que peguem nas revistas e nos "alimentos leves" e lhos metam pelo ... acima. Numa urgência e em sofrimento, as pessoas querem ser atendidas depressa. Ponto final. Não estão ali para chá e bolos. Se em vez de mais médicos e enfermeiros, melhor equipamento e instalações, se em vez de mais policias e alteração da Legislação para punir efetivamente os agressores, ele acha que resolve as coisas com revistas, TV, chá e "alimentos leves", então não devia estar no cargo que ocupa, devia era estar na Terra do Nunca, o lar do Peter Pan.
  • Sandra Maia
    18 jan, 2020 Oliveira do Douro 16:07
    Infelizmente, a violência, é a "arma de arremesso" por parte do cidadão português.