Em Nome da Lei
O direito e as nossas vidas em debate. Sábado às 12h, com repetição domingo às 0h
A+ / A-
Arquivo
Em Nome da Lei - Serão os videojogos viciantes? - 15/06/2019
Em Nome da Lei - Serão os videojogos viciantes? - 15/06/2019

Está o seu filho viciado em videojogos?

15 jun, 2019 • Celso Paiva Sol, com Rui Barros


Podem os videojogos mudar o nosso dia-a-dia ou potenciar comportamentos violentos? E é um problema exclusivo dos jovens? O debate, no "Em Nome da Lei".

Identificar uma dependência como a dependência dos videojogos não é fácil. Quando João Faria, psicólogo clínico que trabalha com crianças e jovens com este tipo de perturbações, recebe alguns dos casos, acontece quase sempre não porque os pais estão conscientes da dependência, mas sim porque isso está a influenciar o seu rendimento noutras atividades.

"Quando os pais trazem os filhos às consultas, não é obrigatoriamente porque estão a jogar muito, mas sim porque acham que estão a jogar muito e as notas estão a cair. Outro campo que também se ativa é a quantidade de sono. Há muitos pais que dizem: ' eu acordo a meio da noite e vejo a luz por baixo da porta - e já são quatro e ele já deveria estar a dormir porque no dia a seguir tem escola'", explica o psicólogo.

Ao contrário do que acontece com outras dependências, João Faria diz que ainda é difícil chegar a conclusões rigorosas sobre os efeitos dos videojogos. Há, no entanto casos, que não deixam margem para duvida: "um dos identificadores é uma reação explosiva, desadequada, quer de raiva, quer de tristeza, quando o jogador é interrompido abruptamente quando está a jogar", explica o clínico.

Marta Borges, da Divisão de Intervenção de comportamentos aditivos e dependências da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo, entende que não é necessário modificar as leis para aumentar o controlo, mas sim estar presente em sítios onde estão os jovens. Por isso, a sua equipa de redução de riscos está a apostar na presença em grandes eventos relacionados com os videojogos e em festivais de música.

"Eu não acho que se tenha de diabolizar. Acho que é uma mudança da sociedade. A nossa sociedade passou a ser uma sociedade digital, e portanto o que eu acho que temos de fazer não passa pela legislação mas sim por criar canais de comunicação com as pessoas que jogam", explica a responsável.

Borges acredita que a melhor solução é usar esses canais de comunicação para explicar formas de proteção contra a adição e "relembrar - porque em todas as relações de dependência é preciso ir ao encontro das pessoas - e criar laços de conversa para dizer: 'quantas vezes fazes pausas quando estás a jogar?'. E ouvir por que é que eles não param".

Uma indústria de milhões cada vez mais com preocupações acrescidas

Numa indústria que já movimenta tanto dinheiro como o cinema, Ricardo Flores, presidente da Associação dos Produtores de videojogos nacionais, garante que os produtores têm cada vez mais uma preocupação acrescida. E aponta, como exemplo, a questão da violência.

"Se olharmos para os títulos que estão a ser apresentados para este verão [percebemos] que existe uma tendência para a preocupação da violência, disfarçando-a. Estamos a 'cartoonizar' a violência, a 'infaltilizar' os personagens, a deixar de ser tão realista. As armas já não são tiros, é andar às marteladas uns aos outros, mas também entrar nesse esquema de cores, de ligação", explica o responsável.

O mercado nacional tem ganhado dimensão. E, por isso, uma das novidades é a criação de grandes eventos sobre videojogos. Jamil Heneni é produtor de videojogos, mas sobretudo organizador destes eventos, e confirma que é um negócio em expansão

"O entretenimento nunca teve uma oportunidade de ser trabalhado de uma forma tão interativa como nos videojogos", explica.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.