Tempo
|
A+ / A-

Negociações em Xangai

EUA e China reconhecem que alterações climáticas são um "assunto urgente" e vão cooperar

18 abr, 2021 - 08:30 • Pedro Mesquita Núria Melo

O trabalho entre as duas maiores economias do mundo, que juntas são responsáveis por quase metade das emissões de gases de efeito estufa, arranca em novembro.

A+ / A-

Os EUA e a China comprometem-se a cooperar no combate às alterações climáticas após dois dias de negociações, em Xangai, entre John Kerry, ex-senador americano e atual enviado para o Clima do gabinete do presidente Joe Biden, e o enviado especial de Pequim Xie Zhenhua.

As duas maiores economias do mundo – que juntas são responsáveis por quase metade das emissões de gases de efeito estufa - emitiram um comunicado conjunto, na sequência de uma visita à cidade chinesa de John Kerry, onde prometem trabalhar em conjunto para um objetivo global e cooperar em processos multilaterais, incluindo a Convenção das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas e o Acordo de Paris.

A crise climática “deve ser tratada com seriedade e urgência” e concordamos em trabalhar para “fortalecer” a implementação do Acordo de Paris.

A nota de imprensa, divulgada pelo Departamento de Estado norte-americano, explica que o trabalho conjunto arranca já em novembro.

O plano passa pela 26.ª conferência da ONU para as alterações climáticas em Glasgow, no Reino Unido, onde o tema será discutido por 40 líderes mundiais.

A nota emitida assinala os objetivos essenciais:

  • Reduzir a emissão de gases com efeito de estufa
  • Preparar um plano de financiamento para os países em desenvolvimento diminuírem a poluição
  • Aumentar a produção de energia renovável em todo o mundo
  • Incentivar a agricultura sustentável
  • Criar de edifícios com eficiência autónoma e transportes verdes com baixas emissões de carbono
  • A aviação e as atividades marítimas também estão contempladas neste plano que visa a redução de carvão e gás

O grande objetivo principal é evitar o aumento da temperatura média global.

Jonh Kerry quebrou o gelo que afasta os dois países desde o início da pandemia, na era Trump, tendo conseguido resultados na primeira visita à China de um enviado da nova Casa Branca.

Um passo importante

À Renascença, Francisco Ferreira, da organização ambientalista Zero, fala de um passo importante. “Esta nova administração de Biden está em completa rutura com o que foram os anos de paragem do presidente Trump. Sem dúvida que são dois países cruciais para resolver a crise climática, pois são dois dos maiores poluidores.”

Para Tadeu Soares este acordo é um “passo altamente positivo” que poderá ter resultados noutras áreas fora do ambiente. O antigo embaixador português em Pequim lembra que “tem havido uma confrontação em vários domínios - a atitude das autoridades chinesas em Hong Kong e a violação dos direitos do Homem em Taiwan – mas, dando um passo positivo noutra área (neste caso nos problemas ambientais) facilita que se estenda o diálogo a outras questões”.

O antigo embaixador sublinha ainda o pragmatismo da China, que enfrenta graves problemas de poluição. “Eles sabem que os EUA têm grandes capacidades tecnológicas neste domínio e podem ajudá-los a avançar e a resolver alguns problemas desde grande desafio que é para a China ser a segunda economia do mundo e ter falhas na qualidade de vida dos seus habitantes”.

O antigo embaixador sublinha ainda o pragmatismo da China, que enfrenta graves problemas de poluição. “Eles sabem que os EUA têm grandes capacidades tecnológicas neste domínio e podem ajudá-los a avançar e a resolver alguns problemas desde grande desafio que é para a China ser a segunda economia do mundo e ter falhas na qualidade de vida dos seus habitantes”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+