Tempo
|
A+ / A-

Covid-19

Aumento do índice de transmissão baralha planos de desconfinamento

11 mar, 2021 - 06:17 • Eunice Lourenço

Governo anuncia plano esta quinta-feira, mas ainda vai fechar pormenores no Conselho de Ministros. Presidente aconselha cautela e Rui Rio avisa que nada pode abrir se o índice de transmissão atingir o 1.

A+ / A-

Veja também:


O Governo ainda não fechou o plano de desconfinamento que o primeiro-ministro prometeu apresentar nesta quinta-feira, dia 11. Anuncia-se uma longa reunião do Conselho de Ministros que, na melhor das perspetivas, terá conferência de imprensa ao fim da tarde, depois de o Parlamento debater e aprovar novo prolongamento do estado de emergência.

O aumento do índice de transmissão da doença está a fazer subir as reservas à abertura e pode aumentar as divisões dentro do executivo sobre a dimensão e o ritmo do desconfinamento.

Nas reuniões que foi tendo com os partidos, o Governo não apresentou o plano. Ouviu, trocou ideias, mas não deu certezas. E as reuniões não foram públicas – ou seja, não foram divulgadas na agenda e não houve declarações à saída.

Também na reunião da concertação social não foi apresentado um plano definido, mas, à saída, o ministro de Estado e da Economia, Pedro Siza Vieira, disse que será possível começar o desconfinamento antes da Páscoa.

As reuniões dos partidos com o Governo acabaram, desta vez, por se cruzar com as audiências com o Presidente da República. E foi depois da reunião com Marcelo que o líder do Chega anunciou que na próxima semana haverá já os primeiros sinais de desconfinamento com abertura das creches, a permissão de venda ao postigo e eventualmente até a abertura de livrarias.

A generalidade dos partidos defende a abertura das creches e a possibilidade de haver planos locais de desconfinamento, conforme a persistência da doença. A maioria dos partidos também defendeu, nas reuniões com o Governo, a abertura de barbeiros e cabeleireiros.

Contudo, o aumento do índice de contágio de que o Presidente deu conta aos partidos faz aumentar as cautelas e o líder do PSD disse mesmo que, se esse índice – o famoso R – subir até ao nível 1, não será possível avançar para abertura de nenhuma setor.

Já depois de Rui Rio falar, também o PS veio falar em cuidados, com o secretário-geral adjunto, José Luís Carneiro, a defender medidas rigorosas na Páscoa. Carneiro também manifestou preocupação com novas variantes que ganharam maior expressão já depois da reunião dos especialistas no Infarmed, na segunda-feira.

Ao fim do dia, foi o Presidente a dar mais um sinal de cautela, com o decreto de renovação do estado de emergência, em que aconselha cuidado nos “passos a dar no futuro próximo”. O Presidente praticamente não faz alterações ao diploma em vigor, o que deixa tudo em aberto para as decisões que o Governo conseguir tomar na reunião do Conselho de Ministros, nesta quinta-feira.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+