Tempo
|
A+ / A-

Myanmar. Milhares de pessoas voltam às ruas em protesto contra golpe militar

07 fev, 2021 - 08:40 • Lusa

"Vida longa à Mãe Suu" e "Abaixo a ditadura militar" foram algumas das palavras de ordem ouvidas. Mesmo com o acesso às redes sociais cortados, são cada vez mais os manifestantes nas ruas.

A+ / A-

Cerca de duas mil pessoas manifestaram-se neste domingo em Myanmar para protestar contra o golpe militar e exigir a libertação da líder de facto do Governo deposto pelo exército, Aung San Suu Kyi, detida desde segunda-feira.

Exibindo cartazes a pedir a libertação de Suu Kyi e do Presidente, Win Myint, sindicalistas e estudantes gritaram "Vida longa à Mãe Suu" e "Abaixo a ditadura militar", num cruzamento perto da universidade, na capital.

De acordo com a agência de notícias Associated Press (AP), a polícia de choque bloqueou o acesso à universidade, com canhões de água estacionados naquela zona, não havendo registo de confrontos.

Os protestos têm-se repetido desde terça-feira, com o número de manifestantes a aumentar, apesar do acesso às redes sociais, usadas para a mobilização, estar bloqueado, por ordem do exército.

No sábado, os militares que tomaram o poder bloquearam o acesso à internet praticamente em todo o país, tornando o Twitter e o Instagram inacessíveis.

Na quarta-feira, o exército já tinha dado ordem aos operadores de internet para bloquearem o acesso ao Facebook, a rede social preferida no país, onde é usada como principal meio de communicação.

A resistência aos militares tem vindo a ganhar força desde o golpe de Estado, visto internacionalmente como um “chocante revés” no país do sudeste asiático, que estava a progredir em direção à democracia, após décadas de regime militar.

No sábado, cerca de mil pessoas manifestaram-se na capital, em protesto contra o golpe de Estado, agitando bandeiras vermelhas do partido de Aung San Suu Kyi, a Liga Nacional para a Democracia (LND).

A oposição ao golpe começou inicialmente com pessoas a bater em tachos e panelas às janelas na capital.

A ONU apelou novamente na sexta-feira à libertação dos líderes detidos em Myanmar, no primeiro contacto com o exército desde o golpe militar que derrubou o governo de Aung San Suu Kyi.

O exército de Myanmar declarou na segunda-feira o estado de emergência e assumiu o controlo do país durante um ano, após a detenção de Aung San Suu Kyi, do Presidente do país, Win Myint, e de outros líderes governamentais.

Myanmar emergiu há apenas 10 anos de um regime militar que estava no poder há quase meio século.

Para justificar o golpe de Estado, imediatamente condenado pela comunidade internacional, os militares asseguraram que as eleições legislativas de novembro passado foram marcadas por “enormes irregularidades”, o que a comissão eleitoral nega.

Os militares evocaram ainda os poderes que lhes são atribuídos pela Constituição, redigida pelo Exército, permitindo-lhes assumir o controlo do país em caso de emergência nacional.

O partido de Aung San Suu Kyi, que está no poder desde as eleições de 2015, venceu por larga maioria as eleições de novembro.

A vitória eleitoral de Suu Kyi, Prémio Nobel da Paz 1991, demonstrou a sua grande popularidade em Myanmar, apesar da má reputação internacional pelas políticas contra a minoria rohingya, a quem é negada a cidadania e o voto, entre outros direitos.

Tópicos
Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+