Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Myanmar. Partido de Aung San Suu Kyi ganha eleições com maioria absoluta

13 nov, 2020 - 07:52 • Lusa

A Liga Nacional para a Democracia conquistou para já mais 24 deputados que os 322 necessários para garantir a maioria nas duas câmaras parlamentares.

A+ / A-

O partido liderado pela vencedora do Prémio Nobel da Paz de Myanmar (antiga Birmânia), Aung San Suu Kyi, garantiu a maioria absoluta nas eleições de domingo, de acordo com dados oficiais.

A Comissão Eleitoral, que continua a lenta contagem dos votos, confirmou que a Liga Nacional para a Democracia obteve 346 lugares, o que lhe permite governar sozinho, embora a Constituição elaborada pela antiga junta militar confira um papel fundamental ao poderoso Exército, que reserva três ministérios e um quarto do parlamento.

O partido de Suu Kyi conquistou para já mais 24 deputados que os 322 necessários para garantir a maioria nas duas câmaras parlamentares, uma vitória que poderá ainda alargar-se, já que ainda falta apurar o resultado em relação a 64 lugares.

Na quarta-feira, o principal partido de oposição em Myanmar, o Partido da Solidariedade e do Desenvolvimento da União (PSDU), alinhado com o exército, anunciou a rejeição dos resultados "injustos" das eleições gerais de domingo e pediu uma nova votação, numa altura em que as projeções já previam a sua derrota.

Após a sua vitória nas eleições de 2015, que culminaram na transição iniciada cinco anos antes para aquilo a que os militares chamam uma "democracia disciplinada", Suu Kyi foi criticada internacionalmente pelas suas políticas contra a minoria rohinya, mas o resultado nas urnas tem mostrado que a sua popularidade não diminuiu no país.

Além de lhe ter sido retirado o prémio Sakharov, Suu Kyi viu, em fins de outubro, o Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos expressar preocupação com a violação dos direitos das minorias, nomeadamente com os muçulmanos rohingya, e com a detenção de vários ativistas durante o período pré-eleitoral.

As Nações Unidas também criticaram as autoridades por recusarem a cidadania à grande maioria dos rohingyas, impedindo-os de votar ou de se candidatarem, e por cancelarem “sem justificação compreensível” a votação em 57 municípios, enquanto algumas partes dos estados de Rakhine e Chin sofreram um apagão de Internet decretado pelas autoridades.

Suu Kyi não pode tornar-se Presidente do país porque a Constituição não o permite a quem tenha familiares com passaporte estrangeiro, mas criou o cargo de conselheira de Estado para poder liderar de facto o país.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • António J G Costa
    13 nov, 2020 Cacém 21:18
    Uma vitória merecida, para uma grande mulher, de grande coragem, que teve que lidar com enormes problemas internos e externos.

Destaques V+