Tempo
|
A+ / A-

Jorge Silvério: “Fazia sentido o futebol parar na quadra natalícia”

24 dez, 2020 - 07:30 • Pedro Azevedo

Especialista em Psicologia do Desporto compreende o calendário, em cenário de pandemia, mas defende que a paragem que se verificou noutros anos era benéfica para os jogadores, nos planos físico e mental.

A+ / A-

Jorge Silvério, especialista em Psicologia do Desporto, considera que faria bem aos jogadores parar durante o Natal e Ano Novo.

Em cenário de pandemia, ao contrário da tradição, o calendário do futebol português na atual temporada não sofre interrupções durante a quadra natalícia. Haverá futebol no próximo fim de semana, bem como no seguinte, o primeiro de 2021. Jorge Silvério, comentador Bola Branca, aponta que os jogadores beneficiariam das habituais mini-férias, também pelo risco de lesões ser maior esta época.

“Por um lado, temos de facto tradição de efetuar essa paragem e de ser um momento de recuperação físico e psicológico. Até há bem pouco tempo, os estrangeiros tinham a oportunidade de ir aos seus países e estar com as suas famílias e esse momento era extremamente importante também para a recuperação psicológica. Fazia todo o sentido haver essa pausa. Mas é óbvio que perante as circunstâncias que estamos a atravessar é compreensível que todos os espaços de tempo sejam aproveitados”, reconhece o especialista.

Perante esta nova realidade de competição sem interrupções, Jorge Silvério adverte para alguns perigos. “É preciso ter muito cuidado com a fadiga física e mental. Percebemos que as equipas técnicas estão atentas, mas se não houver uma boa gestão corre-se o risco de haver lesões que podem ser complicadas justamente por causa desta carga enorme de jogos com pouco intervalo entre si”, explica.

As explicações de Messi


A falta de qualidade exibicional da maioria das equipas e os desempenhos abaixo do esperado de alguns dos principais emblemas da Europa mereceram, esta semana, uma explicação de Lionel Messi.

O craque do Barcelona disse que está a custar jogar sem público nos estádios: não ver adeptos nas bancadas é como estar num treino e custa entrar no jogo, sendo muito difícil vencer seja contra quem for. Messi concluiu que a pandemia mudou o futebol para pior.

Jorge Silvério pega nas palavras de Messi para alertar para a relevância do trabalho mental dos jogadores: “Não quer dizer que a ausência de público seja o fator único de explicação, mas é um fator importante. Mais uma vez o impacto dos adeptos, mas também a importância que têm na preparação que os atletas fazem para o jogo."

"Messi refere que é muito difícil entrar logo no jogo. Parece que falta qualquer coisa. É muito importante, do ponto de vista psicológico, preparar os atletas de maneira a que haja um aquecimento e os atletas não tenham a sensação, que Messi descreve, de demorar tempo a entrar no jogo. Mais uma vez, fica bem vincada a importância dos fatores mentais”, frisa o especialista em Psicologia do Desporto.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Ivo Pestana
    24 dez, 2020 Funchal 13:05
    Não concordo. Sempre trabalhei no Natal e o trabalho deles é jogar, não inventem. O trabalho e o desporto ajudam a mente, libertam hormonas positivas.

Destaques V+