Tempo
|
A+ / A-

Associação dos Médicos Católicos com novo presidente

23 nov, 2020 - 17:12 • Ana Lisboa

Para os próximos três anos a nova direção nacional tem vários desafios como a eutanásia e questões éticas relacionadas com a Covid-19.

A+ / A-

José Diogo Ferreira Martins, especialista em cardiologia pediátrica, é o novo presidente da Associação dos Médicos Católicos Portugueses.

Substitui no cargo o médico psiquiatra Pedro Afonso.

Associado pelo núcleo de Lisboa, o agora eleito integrava a direção cessante como vice-presidente.

A nova direção nacional, "eleita por unanimidade" este domingo durante uma reunião online do Conselho Nacional da AMCP, entrou imediatamente em funções para "dar continuidade" ao caminho realizado até agora.

Em comunicado, a Associação dos Médicos Católicos, afirma que pretende "continuar uma reflexão cristã sobre todos os temas relacionados com a profissão médica, defendendo e anunciando com alegria a dignidade da pessoa humana desde o início (a conceção) até ao fim (a morte natural)".

A mesma nota apresenta o projeto para este triénio que assenta em três principais dimensões.

A primeira pretende manter a associação a "falar para fora", visto que "são muitos os desafios para os próximos anos: a eutanásia ainda não está aprovada, nem a lei da inseminação post-mortem, as questões éticas relacionadas com a Covid-19, os múltiplos novos desafios que atentam contra a dignidade humana. Para isso, queremos continuar a promover uma presença nos media e o diálogo com as outras associações de profissionais católicos".

Os médicos católicos querem também continuar a "falar para dentro", promovendo uma "reta formação das consciências, de acordo com o magistério da Igreja". Neste sentido, será mantida a publicação da "Acção Médica, a revista médica mais antiga de Portugal e as reuniões nacionais e ao nível dos núcleos diocesanos".

Um terceiro propósito da nova direção nacional prende-se com o "crescimento da própria associação", que pretende chegar "com especial enfoque aos jovens médicos e estudantes de medicina".

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+