Tempo
|
A+ / A-

Coronavírus

Escolas e lares ainda sem orientações para usar testes rápidos

17 nov, 2020 - 19:28 • Filipe d'Avillez , Sérgio Costa

A norma foi publicada há mais de uma semana, mas no terreno ainda ninguém sabe como, nem quando, os testes rápidos vão poder ser usados em maior escala.

A+ / A-

Veja também:


A norma da DGS que prevê as situações em que se pode usar os testes rápidos à Covid-19 entrou em vigor a 9 de novembro, mas, mais de uma semana depois, as escolas e os lares continuam sem receber orientações.

Esta tarde, tanto a associação que representa os lares privados, como a Associação dos Diretores de Agrupamentos, lamentaram a falta de informação.

O presidente da Associação Nacional de Diretores de Agrupamentos e Escolas Públicas, Filinto Lima diz que depois do anúncio do primeiro-ministro, e depois de o decreto ter chegado às escolas, falta informação sobre os procedimentos a adotar.

"É uma medida muito positiva, e trará com certeza mais segurança ao local, que já é muito seguro, que são as escolas”, diz.

“Contudo, até este momento, para além do anúncio do primeiro-ministro não temos qualquer conhecimento dos procedimentos, das circunstâncias em que estes testes serão aplicados. Portanto urge que o Ministério da Saúde faça chegar às escolas públicas e às privadas os procedimentos a ter com a aplicação destes testes rápidos."

Filinto Lima lamenta critica a demora e alerta para que não se venham a defraudar as espectativas da comunidade escolar: "Os pais estão na expetativa. Não podemos defraudar as expetativas das comunidades educativas, dos pais, dos alunos, dos professores e dos funcionários, numa situação que merece a nossa consideração, merece o nosso aval, mas o que é certo é que ainda não está implementada no terreno."

Também a associação que representa os lares privados lamenta a ausência de informação.

O Presidente da Associação de Apoio Domiciliário, de Lares e Casas de Repouso de Idosos, João Ferreira Almeida, diz à Renascença que o Governo ainda não explicou quem e em que condições pode realizar esses testes.

"Não temos informações. Fala-se nos lares, fala-se nas escolas também, mas não temos informações detalhadas sobre o assunto.”

“Não sei se só profissionais de saúde, da saúde pública, o poderão fazer, ou se os profissionais de saúde devidamente habilitados os podem fazer nos lares. Seria bom que sim, porque podia-se evitar uma série de problemas se tivéssemos alguma autonomia."

O Presidente da Associação de Lares Privados revela que já pediu orientações ao Ministério da Solidariedade, mas até ao momento não obteve resposta.

A Renascença tentou obter clarificação junto da DGS, mas também ainda não teve qualquer resposta.

A norma da DGS que prevê as situações em que se pode usar este tipo de testes entrou em vigor há mais de uma semana e, entretanto, a ARS Norte prevê aumentar de forma significativa ainda esta semana o recurso aos testes rápidos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.