A+ / A-

OE 2021

João Leão entrega Orçamento "responsável e sem austeridade, bom para os portugueses"

12 out, 2020 - 21:17

Ministro das Finanças entregou na Assembleia da República a proposta de Orçamento do Estado para 2021. Questionado pelos jornalistas sobre as negociações em curso com os partidos de esquerda para viabilizar o documento, João Leão diz que será "difícil perceber" se este Orçamento não passar na Assembleia da República.

A+ / A-

Veja também:


O ministro das Finanças, João Leão, afirma que a proposta de Orçamento do Estado para 2021 não traz austeridade, visa responder à pandemia e é boa para os portugueses.

"Apresentamos aqui um Orçamento bom para Portugal e para os portugueses. Coloca como prioridade dar meios financeiros e humanos para o combate à pandemia", declarou João Leão, esta segunda-feira à noite, no Parlamento.

O governante falava depois de ter entregue a proposta de Orçamento ao presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues.

"O Orçamento também aposta e tem como grande objetivo a recuperação da economia, proteção do emprego e do rendimento dos portugueses", salientou João Leão.

O ministro das Finanças garante que este é um "Orçamento sem em austeridade, que não acrescenta crise à crise, antes pelo contrário. Aposta na recuperação rápida da economia e na continuação da melhoria do rendimento dos portugueses".

"É um orçamento também responsável, bom para os portugueses e para Portugal", reforçou.

Questionado pelos jornalistas sobre as negociações em curso com os partidos de esquerda para viabilizar o documento, o ministro das Finanças diz que será "difícil perceber" se este Orçamento não passar na Assembleia da República.

“Hoje, amanhã e nos próximos dias vão perceber que é um Orçamento bom para os portugueses, bom para Portugal e, neste contexto, é difícil perceber como é que este Orçamento, com abertura e disponibilidade negocial, não poderá ser aprovado, porque é um Orçamento importante para Portugal”, declarou João Leão.

A proposta de Orçamento do Estado para 2021 será votada na generalidade no próximo dia 28 e ainda não tem aprovação garantida. As negociações entre o Governo e os partidos de esquerda vão prosseguir nas próximas semanas.


A conferência de imprensa para apresentação pública da proposta de Orçamento do Estado para 2021 está marcada para terça-feira, pelas 9h00, no salão nobre do Ministério das Finanças.

De acordo com a versão preliminar da proposta de OE 2021, a que a Renascença teve acesso, algumas medidas pretendem corresponder a exigências dos partidos de esquerda.

O Governo prevê, por exemplo, um subsídio de risco para profissionais de saúde que trabalhem diretamente com doentes infetados com Covid-19.

Está também consagrada uma descida da propina mínima e um aumento das pensões mais baixas, entre 6 e 10 euros, a partir de agosto de 2021.

A proposta de OE 2021 cria um novo apoio social para trabalhadores em situação de dificuldade económica, que terá um valor de referência de 501 euros.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+