Tempo
|
A+ / A-

OE2021

Autarquias com luz verde para pedir empréstimo extraordinário por causa da pandemia

11 out, 2020 - 20:37 • Eunice Lourenço , Paula Caeiro Varela , Susana Madureira Martins

Só a título excepcional e no contexto da Covid-19, em 2021 as autarquias podem recorrer a empréstimos junto do Fundo de Apoio Municipal para financiar gestão corrente.

A+ / A-

Veja também:


Está criada uma almofada para os municípios fazerem face a dificuldades de tesouraria, podendo recorrer a empréstimos extraordinários junto do Fundo de Apoio Municipal, em 2021, desde que "a 31 de dezembro de 2020, cumpram o limite legal de endividamento" previsto na lei.

É o que consta da proposta de lei do Orçamento do Estado (OE) para o próximo ano que prevê esta medida a "título excecional e no quadro do contexto de pandemia para financiar a despesa corrente".

Os empréstimos, que podem ser de médio e longo prazo, "podem ter uma maturidadede até 10 anos e são autorizados por despacho dos membros do Governo responsáveis pelas áreas das finanças e das autarquias locais".


O articulado da proposta do governo coloca, porém uma condição a estes empréstimos, ressalvando que só é possível se as autarquias tiverem reduções relevantes de receita. "Desde que verificada a diminuição da receita corrente cobrada igual ou superior a 5/prct., por comparação com a média aritmética simples das cobranças de receita corrente efetuadas, em período homólogo, nos últimos 24 meses que precedem o início do exercício orçamental de 2021, até ao valor da diminuição da receita que tenha ocorrido", lê-se na versão preliminar da proposta de lei a que a Renascença teve acesso.

Para efeitos de avaliação da receita corrente cobrada é feita a dedução da receita consignada e da relacionada com a descentralização de competência para os municípios. A proposta de Orçamento tem também várias alterações ao financiamento das autarquias decorrentes de processos de descentralização de competências, um processo que está em curso e que deve conhecer desenvolvimentos em 2021.

Uma parte da descentralização de competências decorreu de forma experimental e voluntária, ou seja, as autarquias que quiseram receberam mais competências, nomeadamente em termos de gestão de equipamentos escolares e sanitários, mas a partir do próximo ano algumas transferências tornam-se definitivas.

O Orçamento do Estado será entregue esta segunda-feira na Assembleia da República, o primeiro a ser desenhado pela nova equipa do Ministério das Finanças, liderado por João Leão.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+