Tempo
|
A+ / A-

Infarmed não se compromete com datas para a vacina da Covid-19

09 set, 2020 - 15:40 • João Carlos Malta

No dia em que o laboratório farmacêutico AstraZeneca anunciou a suspensão dos ensaios clínicos que decorrem a nível mundial, o presidente do Infarmed, Rui Ivo, não se quer comprometer com datas para a chegada da vacina da Covid-19 a Portugal.

A+ / A-

Veja também:


O presidente do Infarmed, Rui Ivo, não se quis comprometer com uma data para a chegada de uma vacina a Portugal para o combate à epidemia da Covid-19.

Em conferência de imprensa, aquele responsável disse que, neste momento, não podia apontar uma data. A única coisa que existe são "datas provisionais", e garantiu que nenhuma vacina será introduzida em Portugal sem que todas as regras de segurança sejam cumpridas.

No final de agosto, o secretário de Estado da Saúde, António Lacerda Sales, afirmou que “o início do processo de distribuição deverá ocorrer a partir do final do ano". Ainda assim, alertou que isso dependeria "da avaliação da Agência Europeia do Medicamento".

"É uma luz que se começa a avistar ao fundo do túnel”, referiu, na altura, António Lacerda Sales, a propósito do recente anúncio da compra de 6,9 milhões de vacinas, num investimento estimado de 20 milhões de euros.

As declarações de Rui Ivo surgem no dia em que o laboratório farmacêutico AstraZeneca suspendeu momentaneamente os ensaios clínicos que decorrem a nível mundial, para avaliar a segurança e a eficácia da sua vacina para a COVID-19.

O primeiro-ministro, António Costa, considera uma "má notícia" a suspensão dos testes da fase final da vacina contra o novo coronavírus anunciada pela farmacêutica AstraZeneca.

A suspensão decorreu no seguimento de uma reação adversa verificada num dos participantes do estudo, sobre o qual se aguardam as conclusões sobre a reação adversa e a sua relação coma administração da vacina.

Rui Ivo desdramatizou a suspensão dos ensaios desta vacina ao afirmar que a mesma faz parte do processo de testes. "A decisão de suspender os ensaios submete-se à lógica normal, tendo surgido uma reacção adversa foi feita a suspensão. É necessário perceber a que se deve a reacção. Pode ter a ver com a vacina ou não", sustentou.

Para o presidente do Infarmed, esta suspensão é reflexo do "funcionamento normal do sistema". "Está a funcionar bem", garantiu.

O mesmo acrescentou ainda que na fase 3 dos ensaios se recorre a números mais alargados de faixas etárias e de situações especificas de patologias.

A chegada de uma vacina ao mercado e aos portugueses, segundo Rui Ivo apenas acontecerá quando a "segurança e a eficácia" estejam asseguradas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Americo
    09 set, 2020 Leiria 16:42
    Porquê a propaganda do anuncio da compra. "......No final de agosto, o secretário de Estado da Saúde, António Lacerda Sales, afirmou que “o início do processo de distribuição deverá ocorrer a partir do final do ano".