Covid-19

“Coronacéticos” agitam debate. Das “ideias perigosas baseadas no medo" ao “excesso de informação”

08 set, 2020 - 10:55 • Sofia Freitas Moreira (entrevistas e edição) Reuters e Facebook (imagens)

Um pouco por toda a Europa, incluíndo Portugal, multiplicam-se protestos contra as medidas impostas pela pandemia da Covid-19. O movimento, que ergue a bandeira da liberdade, exige o fim do uso obrigatório de máscaras, a opção de escolha em relação à vacinação, entre outras reivindicações. Também conhecidos como “coronacéticos”, estes grupos baseiam-se, muitas vezes, em teorias da conspiração e informações falsas com origem na internet. “Isto dá uma saída às pessoas, porque dá um significado ao esforço que está a ser feito. As pessoas estão cansadas”, justifica o bastonário dos Psicólogos à Renascença. Para Teresa Leão, médica de saúde pública, “o medo de ficar de novo confinado e o peso que isto teve para a saúde mental das pessoas associa-se a este movimento”.

RSS iTunes URL Embed E-mail Facebook Twitter Whatsup Comentários
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Joana Sequeira
    08 set, 2020 14:43
    Que reportagem importante! É muito importante perceber porque estão as pessoas a participar nestas iniciativas e não só apontar o dedo, achar que são todos malucos e excluir "automaticamente". São manifestações preocupantes e assustadoras, mas temos que perceber o seu fundamento para poder agir. Continuação de bom trabalho!