Tempo
|
A+ / A-

Surto em Mora é um "caso de polícia", diz autarca

17 ago, 2020 - 09:35 • Maria João Costa com redação

Subiu para 39 número de casos positivos nesta vila alentejana. O início do surto está a ser investigado pelas autoridades de saúde e policiais.

A+ / A-

Veja também:


“É uma situação complicada e pode ser um caso de polícia”. É desta forma que o presidente da Câmara de Mora, no distrito de Évora, fala do surto de Covid-19 naquela vila alentejana.

Á Renascença, Luís Simão confirma que numa população de 2.500 habitantes estão já confirmados 39 casos, quatro deles internados, um dos quais nos cuidados intensivos. “É substancial e preocupante”, sublinha, acrescentando que está em curso o alargamento dos testes à população.

O início do surto está a ser investigado pelas autoridades de saúde e policiais.

Escreve o “Noticias do Sorraia” que poderá tratar-se de um casal que veio de Espanha, podendo estar em causa um crime de propagação da Covid-19 punido com pena de prisão de um a cinco anos.

O autarca diz que “tudo isto começou em contatos sociais e que o surto está instalado em mais de 20 famílias em que, pelo menos, uma, duas ou três pessoas estão infetadas”.

Luís Simão revela que em Mora há cinco lares, onde para já não há casos de contaminação registados.

Todo o comércio e serviços estão fechados. Mora, refere o autarca é “agora uma vila quase deserta”.

Este surto surgiu há precisamente uma semana, no dia 9 deste mês, quando foram confirmados os primeiros três casos positivos na comunidade, número que foi subindo, todos os dias, à medida que foram sendo testados os contactos de pessoas infetadas.

A câmara ativou o Plano Municipal de Emergência para lidar com este surto e fechou, no início da semana passada, os serviços de atendimento ao público e outros equipamentos, como a Oficina da Criança, a Casa da Cultura, o Centro de Atividades de Tempos Livres e instalações desportivas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+