Tempo
|
A+ / A-

Futebol

D. Aves e V. Setúbal em (sério) risco de despromoção

29 jul, 2020 - 20:21 • José Pedro Pinto , Carlos Calaveiras

Dois clubes não cumpriram pressupostos financeiros e têm três dias para recorrer. Vitória e D. Aves já reagiram. Portimonense poderá manter-se na I Liga.

A+ / A-

D. Aves e Vitória de Setúbal falharam a apresentação dos respetivos processos de licenciamento para a próxima época, nomeadamente os pressupostos financeiros. A Liga já confirmou em comunicado.

A confirmar-se este incumprimento, os dois clubes ficam impedidos de participar nos campeonatos profissionais: o Vitória na I Liga e o D. Aves na II Liga, divisão para a qual caiu por ter sido último classificado na época que agora termina. Serão despromovidos diretamente ao Campeonato de Portugal.

De acordo com os regulamentos, os dois clubes têm agora três dias para recorrer e regularizar a situação. O recurso tem efeitos imediatamente suspensivos da decisão da Liga.

Se não conseguirem cumprir, o primeiro beneficiado é o Portimonense, que assim continuaria na I Liga, na vaga dos sadinos, e já não desceria ao segundo escalão.

Já a vaga do Aves na II Liga (e do Portimonense) seria ocupada por Cova da Piedade e Casa Pia, se tiverem cumprido todos os pressupostos e veriam anulada a descida.

A Liga confirma que já convidou Portimonense, Cova da Piedade e Casa Pia para se candidatarem às vagas.

A SAD do D. Aves teve inúmeros problemas financeiros ao longo da época, com vários jogadores a avançarem para a rescisão de contrato com o campeonato a decorrer.

Já os sadinos podem ser relegados por via secretaria por falta de comprovativos que indiquem a inexistência de dívidas financeiras a outros clubes, jogadores, treinadores e funcionários do emblema de Setúbal e ainda às Finanças e à Segurança Social.

Bola Branca tentou contactar quer o Vitória, quer o D. Aves mas, até esta hora, sem sucesso.

No entanto, o V. Setúbal reagiu em comunicado. A equipa do Bonfim garante que "irá recorrer da decisão para o Conselho de Justiça da Federação Portuguesa de Futebol" e promete que "não baixará os braços". O Vitória está "ciente de que a razão está do seu lado".

Também o D. Aves vai recorrer ao impedimento de se inscrever nas competições profissionais.

“É a decisão esperada, porque sabíamos que nos faltavam alguns pressupostos. No entanto, também se dizia que o Desportivo das Aves não ia jogar com o Benfica e o Portimonense e lá fomos. Vamos aguardar. Os advogados estão a trabalhar e isto pode ser reversível”, admitiu à agência Lusa o presidente da direção do clube, António Freitas.

“Nós metemos um Processo Especial de Revitalização (PER) em tribunal. A qualquer momento o juiz pode despachá-lo e isso altera muita coisa. A partir de hoje temos cinco dias úteis para tentar, dentro da legalidade, colocar este processo em ordem, de forma a que o Desportivo das Aves possa estar no futebol profissional”, apontou António Freitas.

[notícia atualizada às 21h25 com as reações de Vitória e D. Aves]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.