Tempo
|
A+ / A-

Covid-19. Bruxelas autoriza comercialização de Remdesivir para tratamento

03 jul, 2020 - 13:00 • com Lusa

Comissão Europeia diz que "a autorização de um primeiro medicamento para tratar a covid-19 é um importante passo em frente na luta contra este vírus".

A+ / A-

"Remdesivir" é o nome daquele que é o primeiro medicamento autorizado pela União Europeia para tratar o novo Coronavirus. A Comissão Europeia deu hoje "luz verde" à comercialização do antiviral.

Este antiviral torna-se no primeiro medicamento autorizado após uma recomendação da Agência Europeia de Medicamentos, de 25 de junho, que aprovou o recurso ao Remdesivir para o tratamento da covid-19 em adultos e adolescentes a partir dos 12 anos com pneumonia e que requerem oxigénio suplementar, e que em Portugal já tem sido utilizado em doentes graves.

“A proteção da saúde pública é uma prioridade fundamental da Comissão”, afirma Bruxelas , que "os dados sobre o Remdesivir foram avaliados num período de tempo excecionalmente curto”, em apenas uma semana após a recomendação da EMA, em comparação com os habituais 67 dias.

A UE diz-se afincada em responder rapidamente sempre que novos tratamentos se tornem disponíveis, "não deixaremos pedra sobre pedra nos nossos esforços para assegurar tratamentos ou vacinas eficazes contra o coronavírus”, acrescentou a comissária europeia da Saúde, Stella Kyriakides.

O Governo português já tinha activado o programa de acesso precose ao antiviral para doentes graves. A ordem tinha sido dada pela Directora Geralda Saude um dia após ser conhecida a recomendação.

Ainda esta semana, na quarta-feira, o Infarmed assegurou que Portugal tem "stock" disponível e reserva para uso imediato do medicamento Remdesivir e que o laboratório não antecipa constrangimentos no seu acesso aos doentes portugueses.

“Podemos informar que existe "stock" disponível do medicamento Remdesivir, de acordo com as alocações que têm vindo a ser feitas ao nosso país, constituindo uma primeira reserva que garante o acesso imediato ao medicamento”, destacou, em comunicado, a Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde.

O Infarmed revelou ainda que, após contacto com o laboratório titular do medicamento Remdesivir, este confirmou que “antecipa que não venha a existir qualquer constrangimento no acesso ao tratamento por parte dos doentes portugueses, tendo a garantia de acompanhamento conjunto da situação”.

A Comissão Europeia está a negociar com a empresa produtora a compra e reserva do medicamento Remdesivir, depois das notícias de que os Estados Unidos compraram à empresa Gilead Sciences praticamente toda a reserva para três meses do medicamento, o primeiro aprovado também naquele país para o tratamento de covid-19.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Ivo Pestana
    03 jul, 2020 Funchal 18:18
    Não é necessário, os EUA, vão comprar o stock todo.