|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

NBA quer promover justiça social e combater o racismo na próxima época

25 jun, 2020 - 08:52 • Lusa

O comissário da NBA, Adam Silver, garantiu que quando a temporada recomeçar, em finais de julho, o “objetivo comum será chamar a atenção para estes temas importantes como a justiça social”.

A+ / A-

A Liga norte-americana de basquetebol (NBA) quer promover a justiça social e combater o racismo assim que a temporada começar, destacaram hoje o comissário da competição, Adam Silver, e o representante do sindicato dos jogadores, Chris Paul.

O problema do racismo e da brutalidade policial no nosso país tem de parar”, realçou o responsável máximo pela NBA, Chris Paul, citado pela agência AFP.

E acrescentou: “É o nosso trabalho, como jogadores e como Liga, usar a nossa plataforma coletiva para esclarecer estas questões e refletir sobre elas”.

Adam Silver garantiu ainda que quando a temporada recomeçar, em finais de julho, o “objetivo comum será chamar a atenção para estes temas importantes como a justiça social”.

Após a morte de George Floyd, os jogadores da NBA pediram ações concretas contra a injustiça social, particularmente nas práticas de contratação na modalidade.

Apesar de nenhum plano em concreto estar decidido ainda, várias propostas foram apresentadas nos últimos dias.

Entre os pedidos dos jogadores estão uma melhor representação dos jogadores de cor negra nos órgãos de administração da NBA, e ainda doações a favor de organizações que defendam a comunidade afro-americana ou até mesmo a criação de uma fundação pela NBA para permitir que essa comunidade beneficie de melhor oportunidades de educação e económicas.

“A Liga e os jogadores têm de ter uma posição única para ter um impacto concreto no combate ao racismo no nosso país e garantimos que vamos trabalhar juntos para construir uma sociedade mais equitativa e justa”, destacou o responsável máximo da NBA.

George Floyd, um afro-americano de 46 anos, morreu em 25 de maio, em Minneapolis (Minnesota), depois de um polícia branco lhe ter pressionado o pescoço com um joelho durante cerca de oito minutos numa operação de detenção, apesar de Floyd dizer que não conseguia respirar.

Desde a divulgação das imagens nas redes sociais da morte de George Floyd, têm-se sucedido os protestos contra a violência policial e o racismo em dezenas de cidades norte-americanas e um pouco por todo o mundo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.