Tempo
|
A+ / A-

​Covid-19

António Costa: Prioridade escolar "é recuperar défices de aprendizagem"

23 jun, 2020 - 13:50 • Lusa

A experiência do "estudo em casa através da televisão foi muito importante, assim como o apoio da escola digital, mas nada substitui o ensino presencial", afirma o primeiro-ministro.

A+ / A-

Veja também:


O principal objetivo do próximo ano letivo é permitir à generalidade dos alunos recuperar os défices de aprendizagem em resultado da interrupção das aulas por causa da pandemia de covid-19, disse esta terça-feira o primeiro-ministro.

António Costa falava na Escola Secundária da Ramada, em Odivelas, distrito de Lisboa, no final de uma sessão dedicada ao lançamento do programa nacional de remoção do amianto nos estabelecimentos de ensino, medida que faz parte do Programa de Estabilização Económica e Social do Governo.

Com o ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, perto de si, António Costa, numa breve intervenção, referiu-se ao desafio da preparação da próxima época de exames e defendeu a tese de que aquilo que se aprendeu neste ano letivo "vai ser precioso para o próximo".

"Sabemos que a época de exames decorre entre 1 e 7 de setembro e que, a partir daí, temos de retomar a atividade escolar. E o primeiro objetivo que temos de ter no início do próximo ano letivo é recuperar os défices de aprendizagem deste ano", sustentou o primeiro-ministro, tendo a escutá-lo também a ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa, o presidente da Associação Nacional dos Municípios Portugueses, Manuel Machado, e o presidente da Câmara de Odivelas, Hugo Martins.

Segundo o primeiro-ministro, a experiência do "estudo em casa através da televisão foi muito importante, assim como o apoio da escola digital, mas nada substitui o ensino presencial".

"Por isso, o esforço de recuperação de aprendizagens é o primeiro objetivo que temos de ter no arranque do próximo ano letivo. Temos de reforçar com apoios tutoriais e ao longo de todo o ano, porque importa garantir a esta geração que não só não perdeu o ano, como, sobretudo, não perdeu a oportunidade de aprender. A escola existe fundamental para ser um veículo de transmissão do conhecimento", sustentou.

Neste contexto, António Costa retomou a defesa da tese de que "a avaliação é só um elemento desse processo de aquisição do conhecimento".

"Desejo a todos uma boa conclusão deste ano letivo e, sobretudo, uma boa preparação do próximo, que está preparado para jogar em todas as condições: Dentro da escola sempre que isso for possível, fora da escola sempre que for necessário, ou combinando uma e outra quando assim se impuser por razões de saúde pública", acrescentou.

Na sua intervenção, o ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, anunciou que o próximo ano letivo começa entre 14 e 17 de setembro.

“Estamos a trabalhar para que em setembro o ensino presencial possa ser possível e possa ser perene", declarou o ministro da Educação durante a visita a uma escola de Odivelas, nos arredores de Lisboa.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • gisela
    24 jun, 2020 maia 11:42
    Que comentário triste, precisamos salvar e resguardar vidas. Não faltará tempo para recuperar conteúdos. Se há cursos on line e porque de não termos aulas também para todos os níveis de ensino. Quem é de risco, deverá ir também? Prefiro que meus flhos percam o ano escolar, do que perdê-los. Estamos num novo mundo, numa nova era. Vamos repensar! Agirmos.