Tempo
|
A+ / A-

Ministro das Finanças. Resolução do Novo Banco é a "mais desastrosa da Europa"

13 mai, 2020 - 10:20 • Susana Madureira Martins , com redação

Mário Centeno lembra que o Estado não fez um "empréstimo porque gosta" e mostra-se contra o pagamento de bónus à administração do Novo Banco.

A+ / A-

Veja também:


O ministro das Finanças, Mário Centeno, justificou, esta quarta-feira, no Parlamento, a injeção de capital ao Novo Banco. Mesmo antes de ser questionado, Centeno referiu que a transferência estava prevista no Orçamento do Estado e seria impensável não cumprir o que está contratado.

“O Estado não fez um empréstimo porque gosta”, sublinhou Mário Centeno, acrescentando que, caso o Governo não agisse, além de uma crise sanitária, Portugal ficaria também numa situação de crise bancária. “Deste modo, ficamos com a credibilidade que Portugal conquistou.”

Nesta intervenção inicial Centeno mostrou-se visivelmente irritado, mas não se referiu às alegadas falhas de comunicação dentro do Governo e que levaram o primeiro-ministro a pedir desculpas ao BE por não saber da realização de transferência de 850 milhões de euros para o Novo Banco, mas a isso foi forçado pelas questões do PSD, com o ministro a garantir que não foi feita nenhuma operação à revelia de António Costa.

“As resoluções não são assinadas na praia, à beira-mar, por telemóvel”, comentou num tom irónico.

Na sua intervenção garantiu aos deputados que já está a decorrer uma auditoria na sequência do mais recente empréstimo que decorreu a 6 de maio.

O ministro das Finanças falou longamente sobre a questão do Novo Banco na intervenção inicial na comissão, referindo que todas estas operações são auditadas por cinco entidades. Aproveitou para criticar a resolução bancária inicial do Governo PSD/CDS.

“Nenhuma destas instituições pode solucionar o problema original, que foi a mais desastrosa resolução bancária alguma vez feita na Europa”, declarou.

Ministro das Finanças contra bónus no Novo Banco

O ministro declarou estar contra o pagamento de bónus à administração do Novo Banco. Na audição, apelou ao bom senso e à empatia para que estes bónus, no valor de dois milhões de euros, não sejam pagos.

Nesta audição, o ministro fez ainda o balanço sobre a operação de reembolso do IRS. O Estado já reembolsou 538 milhões de euros aos contribuintes. Trata-se de 19% do total de reembolsos a cumprir.

De acordo com o Governo, o reembolso está a decorrer a um ritmo mais acelerado do que em 2019 (mais 10% de devoluções feitas).

Uma audição na sala do senado, no Parlamento, em que o ministro das Finanças ainda irá apresentar e responder a questões sobre o plano nacional de reformas e o programa de estabilidade.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • ze
    13 mai, 2020 aldeia 20:20
    Estes "empréstimos" são uma vergonha,o povo está a pagar centenas de milhões de euros a gestores que não sabem gerir a administradores que se amanham com milhões do povo,é tempo de dizer BASTA, e assim a credibilidade do povo está assegurada.
  • Cidadao
    13 mai, 2020 Lisboa 16:15
    "Deste modo, ficamos com a credibilidade que Portugal conquistou", diz Mário Centeno. Essa "credibilidade" custou até agora 20 000 Milhões de Euros ao contribuinte, oh ministro! 20 000 milhões de euros "emprestadados" para manter à tona, bancos que já faliram e continuam a solicitar dinheiro para no fim o distribuírem e, "bónus" pelos "administradores de massas falidas". Quer dizer, não há dinheiro para serviços públicos, para contratação de médicos e enfermeiros, para aumentar salário minimo e pensões para niveis civilizados, mas há para sustentar Banca e negócios ruinosos como as PPP, ad eternum. Que escândalo é este? Quando é que esta sangria tem fim? Para isto parar, é preciso matar alguém ou quê?
  • 13 mai, 2020 16:05
    O estado nao tem dinheiro " o teu primo podia nos emprestar algum!
  • 13 mai, 2020 16:03
    O mourinho felix que resolva!
  • Americo
    13 mai, 2020 Leiria 12:30
    O circo continua e nós a pagarmos. Lembro que além dos prejuízos do banco que este governo vendeu ???, ainda acrescentou os tais lesados.
  • Filipe
    13 mai, 2020 Porto 11:38
    Credibilidade bancaria que Portugal conquistou....onde!!!? Desde BPN, montepio, bes e outros onde esta a credibilidade.....terei eu e outros que assumir esta despesa com o dinheiro dos meus impostos.... O sr Centeno tem é de sair do cargo