|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Pandemia de Covid-19

Máscaras, desinfetante e comunhão em silêncio. As normas para o regresso à missa

08 mai, 2020 - 20:35 • Filipe d'Avillez

As paróquias devem ter cartazes com as regras básicas em lugares bem visíveis, para garantir que todos os participantes tenham conhecimento das orientações a seguir nas missas, que passam a ter público a partir de 30 de maio.

A+ / A-

Veja também:


Todos os fiéis de máscara e desinfetante à porta das igrejas. Os bispos portugueses publicaram esta sexta-feira as normas para o regresso das missas públicas em Portugal, o que deverá acontecer em finais de maio, exceto na Madeira, onde estão previstas já para o próximo sábado.

Em comparação com documentos de outras conferências episcopais, que a Renascença já analisou, este é completo, detalhado e rigoroso, embora as normas básicas sejam comuns.

Logo no início do documento divulgado esta sexta-feira, e que pode ler aqui na íntegra, os bispos dizem que quem está doente continua dispensado de participar na missa pública e que quem pertence a grupos de risco também, estando convidado a participar em missas durante a semana, em que costuma participar menos gente, para evitar contacto com outras pessoas. Quem quiser e puder deve pedir a um ministro extraordinário da comunhão que vá levar-lhe a eucaristia a casa.

Ao contrário do que se passa na Madeira, onde as missas não podem exceder os 40 minutos, não existe limitação de tempo nas normas divulgadas esta sexta-feira pela Conferência Episcopal, mas recomenda-se que as igrejas sejam desinfetadas com frequência e arejadas durante pelo menos 30 minutos depois de cada celebração.

O documento sugere ainda que cada paróquia organize equipas de acolhimento, ou de ordem, para garantir que as regras são cumpridas e que sejam colocados cartazes em local bem visível.

Em termos de espaço, sugere-se que cada fiel disponha de quatro metros quadrados e que estas distâncias sejam respeitadas, exceto por membros da mesma família ou pessoas que vivem na mesma casa.

No ponto 12 do documento lê-se: “Para evitar que alguns fiéis sejam mandados embora ao chegar a uma igreja com a lotação já preenchida, sugerem-se, onde for viável, diligências de reserva e numeração dos lugares; pode também privilegiar-se o acesso, rotativamente, aos diferentes lugares, povoações ou arruamentos de cada comunidade cristã.”

Onde for possível deve haver uma porta para entrar e outra para sair e estas devem estar sempre abertas. Todos os fiéis devem desinfetar as mãos à entrada, sem exceção, e a máscara deve manter-se durante toda a celebração, sendo retirada apenas para comungar. Os bispos encorajam ainda os padres a optar, caso seja possível, por missas ao ar livre.

Os padres podem ser assistidos por acólitos e pode haver leitores e cantores “em número adequado”, consoante o tamanho da igreja.

A coleta passa para o final da missa, na saída da Igreja, e o gesto da paz mantém-se suspenso. A distância de segurança deve ser respeitada também na fila da comunhão e esta deve fazer-se na mão e em silêncio. Normalmente o padre diz “O corpo de Cristo” a cada fiel a quem distribui a comunhão, e este responde “ámen”. Agora, esse diálogo deve ser feito de forma coletiva, antes do começo da comunhão.

As normas publicadas pela CEP não referem o uso de máscara pelo sacerdote nem na distribuição da comunhão. Enquanto nos EUA o padre está impedido de usar máscara durante toda a celebração, outras conferências episcopais recomendam que esta seja colocada durante a comunhão. Contudo, os bispos portugueses deixam claro que se o padre ou ministro for de um grupo de risco deve ser outro ministro da comunhão a proceder à distribuição do corpo de Cristo.

Outros sacramentos

Estão ainda previstas normas para outros sacramentos. No batismo de crianças, por exemplo, só quem vive com a criança é que lhe fará a o sinal da Cruz na fronte, gesto que normalmente é feito também pelos padrinhos. A imposição das mãos sobre a criança pelo ministro do sacramento far-se-á sem contacto e a concha usada para aspergir a cabeça do batisado deve ser higienizada antes de cada celebração. Já a água não pode ser a mesma, devendo ser mudada e benzida antes de cada batizado.

A confissão individual é permitida, mas deve realizar-se fora do confessionário, num espaço arejado, mas que não ponha em causa o sigilo.

No documento anteriormente publicado, os bispos já tinham sugerido que sacramentos com unção, como o crisma e a ordenação, ocorram apenas no próximo ano litúrgico e nestas normas pede-se novamente aos bispos que tenham em consideração a possibilidade de um adiamento dos crismas, mas não se diz o mesmo em relação à ordenação.

Os casamentos são sujeitos às mesmas regras que a missa dominical e apenas os noivos devem tocar nas alianças.

Por fim, os bispos dizem que "peregrinações, procissões, festas, romarias, concentrações religiosas, acampamentos e outras atividades similares em grandes grupos, passíveis de forte propagação da epidemia, continuam suspensas até novas orientações".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Maria Farol de luz
    08 mai, 2020 S. Marcos da Serra 3/5/2020 22:26
    Meus filhos, no dia 13 de Maio não podeis comemorar a minha primeira Aparição, na Cova da Iria, aos Meus pequeninos filhos, Jacinta, Francisco e Lúcia, por causa desta pandemia. Rezem, rezem muito meus filhos, rezem pela Igreja do Meu Filho Jesus, pois as Aparições na minha Cova da Iria e no Corgo da Igreja, são sobretudo, eclesiásticas. A mensagem Final em Fátima, a parte final do Meu Segredo é toda voltada para a Igreja e esta parte vos será dada a conhecer, não por revelação, mais pelo próprio desenrolar dos acontecimentos. Meus filhos, falando da pandemia, os meus filhos predilectos, cardeais, bispos, sacerdotes e mesmo o vosso Papa Francisco, precipitadamente reagiram mal e movidos pelo pânico ao proibir de fechar as Igrejas. Enquanto os Supermercados, Farmácias, transportes, estiveram abertos e acessíveis. Não foram criativos para se encontrar com as autoridades sanitárias da vossa área da saúde, uma maneira de celebrar a Santa Missa e fornecer os Sacramentos, mesmo para um pequeno grupo de fiéis. Meus filhos, grandes provas foram abertas com essa pandemia que ataca o corpo dos meus filhos e valendo-se dele, os que se sentem donos do mundo, desejam levar-vos a crer que foram abandonados pela Santíssima Trindade e por vossa Mãe Santíssima. Não, não meus filhos! Meus Arcanjos e Santos Anjos, foram enviados para lutar contra o que ataca o povo de Deus. Esse vírus não pode sobreviver no Corpo Eucarístico de Cristo, em breve será queimado.