|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

​Marcelo diz que Igreja escolheu “normas do bom senso” para as cerimónias de Fátima

04 mai, 2020 - 14:50 • Dina Soares

“A Igreja tem uma história muito mais antiga do que os partidos e as centrais sindicais, e foi com base nessa sabedoria que sempre recusou a ideia de peregrinação”, afirma o Presidente da República.

A+ / A-

Veja também:


O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, considera que as cerimónias que a Igreja Católica escolheu para celebrar o 13 de Maio, em Fátima, “são as normas que o bom senso e as medidas sanitárias aconselham”.

Numa entrevista por telefone à rádio Montanha da ilha do Pico, o Presidente da República elogiou o bispo de Leiria-Fátima, D. António Marto, e o cardeal patriarca de Lisboa, D. Manuel Clemente, pela sua opção, apesar da abertura demonstrada pelo Governo para acolher estas cerimónias.

“A Igreja tem uma história muito mais antiga do que os partidos e as centrais sindicais, e foi com base nessa sabedoria que sempre recusou a ideia de peregrinação”, disse Marcelo Rebelo de Sousa.

Na mesma entrevista, o chefe de Estado reconheceu que tinha uma ideia "mais simbólica" para se assinalar o 1.º de maio quando abriu a porta à comemoração da data na última renovação do estado de emergência devido à pandemia de Covid-19.

Já mais tarde, durante uma visita ao Chiado, em Lisboa, onde foi comprar livros e assinalar a reabertura das livrarias, Marcelo voltou a elogiar a decisão dos bispos portugueses.

“A Igreja fez bem em suspender o culto comunitário, apesar de alguns católicos terem ficado muito chocados” – afirmou o Presidente – “quando a Igreja defende tanto o direito à vida e o direito à saúde, só podia agir assim”, concluiu, pedindo aos católicos para terem paciência e esperarem até ao final de maio.

Marcelo revelou ainda a conversa que manteve na última sexta-feira com o Presidente norte-americano, Donald Trump: “ele queria cumprimentar Portugal pelos seus resultados no combate à pandemia, perceber o que é que nós fizemos, e expressar o seu apreço pela comunidade portuguesa nos Estados Unidos”.

Os dois chefes de Estado abordaram ainda a possível visita de Donald Trump a Portugal, embora Marcelo tenha lembrado que essa é uma questão que terá que esperar pelas eleições presidenciais em Portugal e nos Estados Unidos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • 04 mai, 2020 16:22
    Aqui não está em causa " O BOM SENSO ou MEDIDAS de SANIDADE ". O que esteve e está em CAUSA é pura e simplesmente o CUMPRIMENTO da LEI. Agora, desculpas são DESAPROPRIADAS.