Tempo
|
A+ / A-

Covid-19

Santuário de Fátima surpreendido com declarações do Governo sobre o 13 de Maio

03 mai, 2020 - 14:02 • Lusa

A ministra Marta Temido disse que seria possível haver celebrações, se fosse essa a vontade dos organizadores. O bispo de Fátima já tinha dito em Abril que a peregrinação de maio seria suspensa.

A+ / A-
Veja também:

O Santuário de Fátima foi “apanhado de surpresa pelas declarações do Governo” sobre as celebrações religiosas de 12 e 13 de maio, disse este domingo à agência Lusa fonte do Santuário.

“O Santuário foi apanhado de surpresa pelas declarações do Governo” e “está a reunir todos os elementos para tomar uma posição” sobre as celebrações religiosas de 12 e 13 de maio em Fátima, afirmou uma fonte do gabinete de comunicação da instituição.

A ministra da Saúde, Marta Temido, disse, no sábado, que as celebrações do 13 de Maio, em Fátima, são “uma possibilidade”, desde que sejam uma opção dos organizadores e cumpridas as regras sanitárias.

“Se essa for a opção de quem organiza as celebrações, de organizar uma celebração do 13 de Maio onde possam estar várias pessoas, desde que sejam respeitadas as regras sanitárias, isso é uma possibilidade”, disse a governante, em entrevista à SIC.

Em 6 de abril, o Santuário de Fátima anunciou que a Peregrinação Internacional Aniversária de maio será este ano celebrada sem a presença física de peregrinos, devido à Covid-19, mas que se mantêm as principais celebrações.

Apesar de esta peregrinação não poder ser vivida nos moldes habituais, vão realizar-se "as principais celebrações na Basílica de Nossa Senhora do Rosário de Fátima, que serão presididas pelo cardeal D. António Marto e transmitidas pelos meios de comunicação social e digital", explicou.

O Conselho Nacional do Santuário de Fátima vai reunir-se para “tomar uma posição sobre as celebrações”, adiantou à agência Lusa a mesma fonte, sem indicar qualquer data.

Este domingo, o cardeal patriarca de Lisboa apelou para que não haja retrocessos. D. Manuel Clemente lembra que a Igreja quer voltar a reunir os fiéis, mas sem qualquer risco de voltar a haver um novo surto. Antes tinha publicado uma carta dirigida ao clero da diocese na qual destaca a necessidade de manter suspensão das celebrações comunitárias, “a bem da saúde pública”. Na missiva recorda ainda que o Governo não autorizou celebrações até ao fim deste mês.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 243 mil mortos e infetou mais de 3,4 milhões de pessoas em 195 países e territórios. Mais de um milhão de doentes foram considerados curados.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Para combater a pandemia, os governos mandaram para casa 4,5 mil milhões de pessoas (mais de metade da população do planeta), encerraram o comércio não essencial e reduziram drasticamente o tráfego aéreo, paralisando setores inteiros da economia mundial.

Face a uma diminuição de novos doentes em cuidados intensivos e de contágios, alguns países começaram a desenvolver planos de redução do confinamento e em alguns casos a aliviar diversas medidas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • José Machado de Oliv
    04 mai, 2020 Viana do Castelo 00:20
    A Igreja Católica tomou a melhor decisão.. Alguém queria remendar uma situação para ficar bem na fotografia.
  • Manuel Caetano Migue
    03 mai, 2020 AMADORA 18:25
    Isto é só para justificar o 1º de Maio e aproveita para passar a responsabilidade para a Igreja. Só que a Ministra esquece-se que a Igreja tem mais de 2000 anos de experiência.
  • Ivo SÉRGIO PESTANA
    03 mai, 2020 Funchal 18:21
    Calma Igreja! Sou católico, e como tal sugiro que não hajam, precipitações. Vamos ter tempo para estarmos juntos novamente. Deus é omnipresente e como tal ninguém caminha sozinho. Força para todos!

Destaques V+