Tempo
|
A+ / A-

Restaurantes reabrem a 18 de maio, mas a 50% da capacidade

29 abr, 2020 - 19:07 • Eunice Lourenço

Jogos da Primeira Liga de futebol também podem ser retomados em maio, mas à porta fechada.

A+ / A-
Veja também:

Os restaurantes vão reabrir a 18 de maio, mas a 50% da capacidade. Ao que Renascença apurou junto de membros das organizações que têm tido reuniões com o Governo sobre a retoma da atividade económica, os restaurantes abrem, mas bares e estabelecimentos de diversão noturna vão continuar fechados.

Também os ginásios e os spas vão continuar encerrados, mas a partir de dia 4 de maio começam a ser permitidas atividades desportivas individuais, embora sem uso de balneários.

A Renascença sabe também que, se tudo correr bem e não houver um agravamento da pandemia de Covid-19 na primeira quinzena de maio, os jogos da Primeira Liga de futebol podem ser retomados a partir de dia 18, mas à porta fechada. A decisão sobre as datas cabe à Liga e à Federação.

Estas medidas são as previstas, neste momento, mas estão dependentes do que acontecer na primeira quinzena de reabertura da economia.

A Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal reconheceu esta quarta-feira que os empresários do setor estão preocupado com a forma como decorrerá a reabertura dos restaurantes, considerando que o pior que pode acontecer é a reabrir portas e depois "voltar atrás".

A Renascença também já tinha avançado que na próxima segunda-feira, 4 de maio, o pequeno comércio de rua vai reabrir.

Em causa estão as lojas até 200 metros quadrados de área e com porta para a rua, assim como cabeleireiros, livrarias e stands de automóveis.

Posteriormente, seguem-se as lojas até 400 metros quadrados, que podem reabrir no dia 18 de maio.

A partir de junho, reabrem os restantes estabelecimentos comerciais.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, já anunciou que o estado de emergência, que termina a 2 de maio, não será renovado, mas avisou que o surto não terminou e que as medidas de contenção, higiene e distanciamento social têm que continuar.

"O fim do estado de emergência não é o fim do surto, não é o fim da necessidade de controlo, não é o fim da necessidade dos portugueses prosseguirem num esforço muito cívico que é o perceberem que depende deles a evolução desse surto", declarou o Presidente da República.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+