Tempo
|
A+ / A-

Pandemia de ​Covid-19

Um teste negativo basta para dar alta. Objetivo é "poupar testes" e transferir "para quem necessita"

25 abr, 2020 - 21:12 • Pedro Mesquita com Redação

O pneumologista Filipe Froes, que é um dos autores desta nova norma hoje anunciada por Marta Temido e Graça Freitas, reforça que a mesma não se aplicará a doentes hospitalizados. "Esta alteração baseou-se na evidência disponível, que demonstrou que estes doentes [em confinamento em casa], na maior parte dos casos, já não iam ter qualquer impacto em termos transmissão da doença na comunidade”, explica.

A+ / A-

Veja também:


O anúncio surgiu este sábado de manhã da voz da própria ministra da Saúde: a partir de agora, é tido como curado qualquer doente infetado com Covid-19 que, estando em isolamento em casa e não apresentando já sintomas, realize um teste negativo ao fim de 14 dias da infeção – sendo, por isso, e ao contrário do que acontecia até aqui, dispensado da realização de um segundo teste.

À Renascença, o pneumologista Filipe Froes, que é um dos autores desta nova norma, explicou-a em detalhe, lembrando que os doentes internados em hospitais continuarão a precisar de apresentar dois testes negativos.

"A mudança é apenas para os doentes que não necessitaram de internamento e que, portanto, se admite que tenham menor carga viral associada à menor expressão da doença. E que na ausência completa de febre e na estabilização clínica, com melhoria clínica dos sintomas durante mais de três dias consecutivos, só necessitam de um teste laboratorial negativo, realizado no mínimo 14 dias após o início dos sintomas, para apresentarem os critérios de cura microbiológica. Os doentes internados mantêm à mesma a necessidade de dois negativos no espaço de 24 horas para serem contabilizados recuperados”, explicou o pneumologista.

Também na conferência de imprensa sobre a pandemia do novo coronavírus em Portugal, a diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, reforçou que esta alteração metodológica resultou de “evidências científicas, das orientações das organizações internacionais e da experiência de outros países”. “Seguimos a literatura que saiu nos últimos dias, que indica que, se os sintomas melhoram e o teste deu negativo, é suficiente para assumir o negativo", explicou Graça Freitas.

Mas, afinal, qual é a razão e o objetivo desta alteração de procedimentos? Filipe Froes refere a “poupança” de testes. E explica a base cientifica da medida.

"Esta alteração baseou-se na evidência disponível, que demonstrou que estes doentes, na maior parte dos casos, já não iam ter qualquer impacto em termos transmissão da doença na comunidade. E isso justificou que outros países já o tenham feito. E, assim, nós poupamos um teste, que é transferido para quem mais necessita dele, que é quem precisa de fazer o diagnóstico e quebrar os riscos de transmissão na comunidade”, lembra.

Portugal regista hoje 880 mortos associados à covid-19, mais 26 do que na sexta-feira, e 23.392 infetados (mais 595), indica o boletim epidemiológico divulgado hoje pela Direção-Geral da Saúde (DGS). Comparando com os dados de sexta-feira, em que se registavam 854 mortos, hoje constatou-se um aumento percentual de 3%.

Relativamente ao número de casos confirmados de infeção pelo novo coronavírus, os dados da DGS revelam que há mais 595 casos do que na sexta-feira, respresentando uma subida de 2,6% A região Norte é a que regista o maior número de mortos (502), seguinda da região Centro (188), de Lisboa e Vale do Tejo (170), do Algarve (11), dos Açores (8) e do Alentejo que regista um morto, adianta o relatório da situação epidemiológica, com dados atualizados até às 24:00 de sexta-feira.

Em reação ao anúncio desta manhã, o arquipélago dos Açores já anunciou que vai continuar a declarar recuperação de doentes Covid-19 apenas após dois testes negativos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Filipe
    25 abr, 2020 évora 21:35
    Até aqui economizar a bem dos mortos pela doença e daqueles que vão sofrer sequelas para a vida inteira . Os Portugueses já perceberam que andam a negociar 12 zeros lá na UE para depois o desviarem para patuscadas dos partidos , alguns ricos em Portugal bem conhecidos e talvez alguns encherem os sacos azuis com a desgraça dos outros . Se já tem o exemplo de outros países onde mais tarde os falsos negativos tornam-se positivos . O que devia o Estado fazer era acompanhar os alegados recuperados durante um tempo , ver se tinham sequelas ou se o vírus está escondido para mais tarde poder acordar e infetar . Este , é mais um especialista que veio substituir os comentadores do futebol confinados , temos de entreter as pessoas de alguma maneira com palhaçadas avulsas e gratuitas sem fundamento científico , a bem da economia : poupar .

Destaques V+