Tempo
|
A+ / A-

Dados do coronavírus

Portugal regista maior aumento de mortes por Covid-19. Taxa de letalidade ultrapassa média global

03 abr, 2020 - 19:25 • Joana Gonçalves

Nas últimas 24 horas, 37 pessoas morreram devido ao novo coronavírus em Portugal. A taxa de letalidade do vírus sobe, assim, para 2,5%, contra estimativa de 1,4% a nível mundial. Total de mortes no país chega às 276.

A+ / A-

Veja também:


Portugal registou, nas últimas 24 horas, o maior aumento de mortes por Covid-19, desde o início do surto no país, com uma taxa de letalidade muito acima da média calculada a nível global.

Dos 340 óbitos declarados ontem, data de referência do mais recente boletim da Direção-Geral de Saúde (DGS), apresentado esta sexta-feira, 37 estão diretamente associadas com a Covid-19, o que representa 6% do total.

Com este novo pico nacional, a letalidade do vírus em Portugal aumenta para 2,5%, um valor superior à taxa de letalidade calculada a nível global.

Investigadores do Centro MRC de Análise de Doenças Infecciosas, do Imperial College em Londres, apontavam esta semana para uma taxa de letalidade global do coronavírus a rondar 1,4%. De acordo com os mesmos especialistas, este valor pode até ser de 0,7% com o devido ajuste do número de casos não diagnosticados em todo o mundo.

A taxa de letalidade, ou coeficiente de letalidade, corresponde à proporção entre o número de mortes por uma doença e o número total de pessoas que sofrem dessa doença, ao longo de um determinado período de tempo -- ao contrário da taxa de mortalidade, um índice demográfico que reflete o total de óbitos causados por determinada doença.

Ainda de acordo com os dados atualizados pela DGS esta sexta-feira, pessoas com mais de 70 anos continuam a ser as mais vulneráveis e neste grupo etário o mesmo indicador sobe para 10%. Já o número de óbitos associados à Covid-19 é superior entre os homens (143), apesar de as mulheres (103) representarem a maior percentagem do total de infetados (56%).

Segundo os dados do sistema nacional de informação dos certificados de óbito (SICO), desde dia 24 de março que a mortalidade diária em Portugal ultrapassa os valores dos últimos 10 anos, à exceção de três dias em 2018.

A Renascença tinha já noticiado um aumento da mortalidade no último mês. Jorge Félix Cardoso, em conjunto com equipa de investigadores do Centro de Investigação em Tecnologias e Serviços de Saúde (CINTESIS), avaliou as tendências da mortalidade nos meses de fevereiro e de março para todos os anos entre 2009 e 2020.

As conclusões foram claras: até ao dia 27 de março, Portugal registava aproximadamente 600 mortes acima do expectável, uma tendência de aumento que não se verificava há mais de uma década.

Esta sexta-feira, em entrevista à Renascença, o primeiro-ministro, António Costa, admitiu a subnotificação de óbitos com Covid-19.

"Sabe-se que a Covid-19 não ataca da mesma forma todas as pessoas e é isso que a torna muito perigosa, porque podemos estar contaminados sem sentir qualquer sintoma", referiu Costa. "Se é possível que existam pessoas que possam ter falecido por outras causas e estivessem infetadas? Sim, é possível."

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.