Tempo
|
A+ / A-

Pandemia de Covid-19

Dos autoclismos às viseiras. Fábrica de Aveiro vai produzir 20 mil componentes por semana

01 abr, 2020 - 22:48 • Pedro Mesquita

OLI foi abordada por uma startup com origem no Técnico e pelo INEGI, da Faculdade de Engenharia do Porto, e não hesitou em embarcar no projeto colaborativo humanitário. Suportes serão oferecidos pela empresa aos hospitais, distribuição começa na segunda-feira.

A+ / A-

Veja também:


Está em curso uma verdadeira revolução industrial solidária na resposta à pandemia de Covid-19. E desta vez a o exemplo chega de uma fábrica de Aveiro, a OLI, que produz autoclismos e componentes para autoclismos.

"Temos contactos com a ERISING, que é uma startup com origem no Instituto Superior Técnico, e com o INEGI, que está ligado à Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto", explica o administrador da empresa, António Oliveira, à Renascença. "Há cerca de duas semanas abordaram-nos, dizendo que estavam a afinar um projeto colaborativo humanitário. Tinham desenvolvido um suporte de viseira para proteção do pessoal hospitalar.”

A reação positiva foi imediata. A partir de agora, vão ser produzidas 20 mil unidades por semana e 80 mil por mês, numa altura em que a fábrica se encontra a laborar 24 horas por dia e sete dias por semana. A 6 de abril, no início da próxima semana, começam a ser distribuídos os primeiros suportes de viseira.

O modelo de viseira tem a particularidade de dispor de duas versões, com ou sem cobertura superior, consoante a sua utilização hospitalar, em combinação com outros equipamentos de proteção como cogulas e fatos. Este é um dos equipamentos de que os profissionais de saúde mais precisam para lutar contra a pandemia, por isso, aceitamos este desafio no primeiro momento, indica a OLI em comunicado.

“Vencemos o desafio e, a partir de segunda-feira, vamos começar a distribuir os suportes pela Administração Regional de Saúde do Norte, pelos hospitais da região de Aveiro e de Lisboa e Vale do Tejo”, adianta o empresário.

A OLI promete acelerar a produção e contribuir com o seu esforço neste combate à pandemia. Para o efeito, destinou uma máquina de moldes para produzir as componentes das viseiras, usando os próprios materiais e mão-de-obra, em parceria com a ERISING, num projeto que conta ainda com o ISEP, FEUP, INEGI e LAETA.

“O nosso objetivo é oferecer estes suportes de viseira, e depois os técnicos, que os vão usar, completam as viseiras com acetato e elásticos para a fixação", diz António Oliveira. "Não temos qualquer objetivo de fazer dinheiro com isto. Os suportes serão oferecidos e é este o nosso contributo."

“Se a procura o justificar", adianta o responsável da empresa, "poderemos avançar com um novo molde com maior capacidade de produção". Os planos para o futuro a curto prazo passam ainda por "informar os nossos parceiros de Espanha e de Itália para a possibilidade de oferecermos estas viseiras para serem distribuídas nas unidades hospitalares das suas regiões”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.